Estudantes universitários de Iranduba denunciam na Aleam suspensão do transporte escolar

Divulgação

Os universitários do município de Iranduba (a 27 km de Manaus) denunciaram, nessa quinta-feira (28), na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) os sérios problemas enfrentados pela suspensão do transporte universitário por parte da Prefeitura Municipal de Iranduba. Ao todo, 400 estudantes dependem do transporte para fazer curso em Manaus.

Em fevereiro deste ano o Radar noticiou que o atual secretário de Educação do município Amilton Gadelha não só cortou o transporte escolar dos universitários de Iranduba como ainda fez foi deboche do desespero desses estudantes que foram reclamar.

Segundo relato do estudante João Victor na Casa Legislativa, desde o início do calendário acadêmico de 2019, as rotas de ônibus que atendem os Distritos do Ariaú e do Cacau-Pirêra; as comunidades do entorno da rodovia AM-010; assim como a sede do município no turno vespertino estão sem o serviço.

Existe uma Lei Municipal nº 312/2016 que regulamenta esse serviço e determina que o município arque com as despesas do transporte dos universitários. O universitário informou que a Prefeitura alegou falta de recursos financeiros para manter o transporte e que tal decisão prejudicou 150 alunos, que ficaram sem ter como se locomover para suas respectivas universidades.

“As dificuldades e as singularidades do município são diferentes da realidade da capital”, destacou João Victor, complementando que “o transporte universitário, longe de ser sinônimo de vaidade ou luxo, é sinônimo de necessidade para muitas famílias e jovens irandubenses”.

Vale lembrar que Amilton Gadelha é ex-prefeito de São Gabriel da Cachoeira (a 853 quilômetros de Manaus), e está todo enrolado com os órgãos de controle por conta de má gestão do dinheiro público. Ele foi nomeado pelo prefeito de Iranduba Francisco Gomes, mais conhecido por Chico Doido.

Com informações da assessoria da Aleam.