Estudo ciêntifico revela que plantas nativas da Amazônia poderão ajudar no combate à malaria

Imagem ilustrativa

Um estudo ciêntífico realizado com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam),comprovou que compostos bioativos encontrados em plantas nativas da Amazônia podem futuramente ser utilizados como nova ferramenta para o controle populacional do mosquito do gênero Anopheles, agente transmissor da malária humana.

Os pesquisadores avaliaram se os compostos têm potencial para inibir a enzima trealose-6-fosfato fosfatase, proteína produzida pelo organismo do Anopheles e, que desempenha papel fundamental no metabolismo e fisiologia do mosquito.

De acordo com o pesquisador do estudo, Marcos Cézar Fernandes Pessoa, a enzima é considerada uma molécula-chave para a sobrevivência de insetos vetores. Nestes insetos, o dissacarídeo trealose (produto da catálise da enzima) é o principal carboidrato da hemolinfa, utilizado tanto como fonte de energia durante o voo quanto para outras vias metabólicas vitais.

“Devido a enzima atuar em importantes vias metabólicas, sua inibição provocaria um efeito cascata sobre diferentes funções no metabolismo do inseto, tendo consequências deletérias sobre a fisiologia e à própria sobrevivência do mosquito vetor, o que contribuiria para o seu controle populacional”, enfatizou Marcos Pessoa.

O entendimento sobre o funcionamento metabólico da enzima e o achado de um possível composto inibidor, pode contribuir para o desenvolvimento de inseticidas com potencial para diminuir a competência do vetor em transmitir o plasmódio (parasita) para as populações humanas.

O projeto “Prospecção de inibidores para a enzima Trealose-6-fosfato fosfatase a partir de espécies vegetais nativas da Amazônia e por Screening Virtual” foi desenvolvido no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e, amparado pelo Programa de Apoio à Fixação de Doutores no Amazonas (Fixam/AM), edital Nº 017/2014.

Estudo

O projeto teve duas frentes de pesquisa: uma de prospecção a partir dos extratos vegetais de plantas amazônicas e outra por estudos de triagem (screening) virtual de compostos orgânicos por acoplamento/ancoragem (docking) molecular.

A primeira pretendeu-se descobrir se existe na flora amazônica alguma espécie que produza compostos bioativos que sejam eficazes na inibição da atividade da enzima trealose-6-fosfato fosfatase. Nesta vertente não foram encontrados compostos bioativos que pudessem inibir a enzima, visto que nos bioensaios de dose as frações e os óleos essenciais tiveram atividade somente em altas concentrações e, por isso, não foram usados nos testes in vitro. Entretanto, esta alternativa demanda estudos mais detalhados a fim de se comprovar a eficácia ou não dos compostos oriundos da flora Amazônica contra esta enzima.

A segunda, por triagem virtual, foi importante para demonstrar se compostos orgânicos comercialmente disponíveis também podem ser eficazes na inibição desta enzima. Neste trabalho foi verificado que a triagem virtual e o acoplamento molecular demonstraram ser técnicas eficazes, pois compostos orgânicos mostraram, in vitro, atividade inibitória contra a enzima. Estudos com derivados orgânicos destes compostos, que possam ter maior afinidade ao sítio catalítico da trealose-6-fosfato fosfatase, são uma alternativa promissora para pesquisas futuras.

Descobrir a presença de compostos que possam ser inibidores potenciais da enzima trealose-6-fosfato fosfatase do mosquito Anopheles se deve ao fato da região Amazônica ser área endêmica de malária.

Fixam

O programa consiste em estimular a fixação de recursos humanos com experiência em ciência, tecnologia e inovação e/ou reconhecida competência profissional em instituições de ensino superior e pesquisa, institutos de pesquisa, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, empresas privadas e microempresas que atuem em investigação científica ou tecnológica.

(*) Com informações da assessoria