Estudo da Fiocruz revela que mortes por Covid em 2020 foi maior do que o registrado oficialmente

Foto: Reprodução

Um estudo da Fiocruz concluiu que o número de mortes por Covid no ano passado foi maior do que o registrado oficialmente.

Quando uma prefeitura registra uma morte por Covid no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, esse óbito já foi devidamente investigado. Existe um tempo necessário para liberação de atestados e confirmação da causa da morte por parte dos serviços de saúde de cada município.

Em Sabará, na Grande BH, os registros de casos vêm sendo feito sem dificuldades.

“Desde o início da pandemia, foram notificados 218 óbitos de Covid no total. Como os casos tiveram intervalo, não houve uma sobrecarga, possibilitando que essa informação fosse concluída com o período de sete dias de intervalo”, esclareceu a secretária de Saúde de Sabará, Mariana Nunes.

Só que as prefeituras espalhadas pelo país têm realidades e estruturas diferentes. Um estudo feito pela Fiocruz revela que o tempo médio entre a data exata de uma morte por Covid e o registro dela no sistema de dados do Ministério da Saúde é de 27 dias, mas muitas mortes que registradas no Brasil no ano passado levaram mais de 300 dias para serem oficializadas.

O pesquisador explica que outros fatores podem atrasar o registro de dados. Há muitos casos de óbitos, por exemplo, que precisam ser reavaliados para a segurança do Sistema de Informações sobre Mortalidade.

“O sistema foi feito para ser lento. O Sistema de Informações em Mortalidade não pode, em função de situação A, B ou C, passar as etapas de controle de qualidade e de monitoramento do que está acontecendo. Se a gente queima etapas de controle de qualidade, a gente vai perder muita qualidade do que a gente está enxergando”, pontuou Cristiano Boccolini, pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz.

A Fundação Oswaldo Cruz analisou em detalhes os dados consolidados ano passado e que só foram disponibilizados pelo ministério em maio deste ano. Chegou à conclusão de que foram 230.452 óbitos por Covid em 2020 – 18% a mais do que havia sido divulgado.

O pesquisador reforça que analisar e divulgar os números reais da Covid no país é importante para a definição de políticas públicas para combater a pandemia.

“A gente não está imune a novas situações pandêmicas. Então, se a gente conseguir enxergar que populações se comportaram como, a gente consegue, sim, formular políticas públicas que vão ter ajuste mais fino, mais detalhado sobre que público que a gente deve olhar, que população a gente deve cuidar e como que a gente deve agir”, destacou.