“Eu não faria um plano de reabertura agora, mas coloco minha torcida para o êxito”, diz Arthur em reunião com governador do AM

Fotos – Divulgação / Semcom

Em reunião com o governador, Wilson Lima, e outros participantes, nessa quarta-feira (27), o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, manteve sua posição contrária à reabertura do comércio na capital amazonense, a partir do dia 1º de junho. No entanto, afirmou que estará na torcida para que tudo dê certo.

“Eu não faria um plano de reabertura agora, mas, como foi feito, coloco toda minha torcida para o êxito. Vamos lutar para que dê certo, mesmo eu não concordando com a ideia”, disse o prefeito, ao governador Wilson Lima e demais participantes.

Para o prefeito de Manaus é preciso cautela nessa reabertura, porque, apesar da redução de sepultamentos na capital, o número de casos continua subindo. “Temo por uma segunda onda, um segundo pico, que pode ser ainda mais grave”, alertou. Arthur também destacou que Manaus foi uma das cidades brasileiras onde a população não aderiu ao isolamento social e que a reabertura, na verdade, já estava acontecendo antes de se oficializar quaisquer medidas.

A reunião também contou a participação de representantes da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Ministério Público Estadual (MPE-AM) e Federal (MPF-AM), Ministério Público do Trabalho (MPT), Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), Tribunal de Justiça (TJ-AM), Defensoria Pública (DPE-AM) e da Ordem dos Advogados Do Brasil Seccional Amazonas (OAB-AM).

A proposta do governo é para reabertura do comércio local, com as atividades não essenciais voltando de forma gradual a partir da próxima semana, 1º de junho. “Alertei que a reabertura precoce da economia não significa a volta dos empregos e crescimento do PIB [Produto Interno Bruto]. Isso é ilusão e devemos voltar nossa atenção para segurança da população”, ressaltou Arthur Virgílio Neto.

O trabalho da Prefeitura de Manaus no combate ao novo coronavírus, por meio do hospital de campanha municipal Gilberto Novaes, foi exaltado pelo governador Wilson Lima. A estrutura ajudou a desafogar o sistema de saúde pública do Estado no atendimento a pessoas vítimas da Covid-19. O prefeito de Manaus reafirmou que o trabalho continua forte e mesmo com a aparente queda no número de mortes, a guarda não deve ser baixada na luta contra o vírus.

“Estamos dando total apoio ao governo em ações de saúde, inclusive no interior, os números de mortes estão mostrando uma diminuição, mas eu não abriria o comércio agora. Eu não assinaria o projeto, mas tenho que respeitar e vai ser apoiado por mim”, concluiu o prefeito Arthur Neto.

(*) Com informações da assessoria de imprensa