Evasão escolar gera mais gastos do que manutenção de ensino, aponta pesquisa

Foto: Reprodução/Internet

Para o país, o custo de alunos fora da sala de aula é maior que o processo de manutenção dos estudos. A informação foi constatada através da pesquisa “Consequências da Violação do Direito à Educação”, lançada em junho e realizada pela Fundação Roberto Marinho e do Insper.

Segundo o levantamento, para um aluno concluir a educação básica são gastos cerca de R$90 mil. Já a evasão escolar gera perda de R$ 372 mil, por ano. Um número considerado alarmante, levando-se em consideração que se os alunos finalizarem os estudos têm mais oportunidades de trabalho e mais tempo para conquistar vagas remuneradas.

Assim, considerando que a taxa de abandono acadêmico é de 17,5%, isso é, 575 mil adolescentes, estima-se uma perda de 214 bilhões de reais, anualmente, para o Brasil. Isso equivale a 3,5% do PIB. Logo, uma perspectiva preocupante tanto para a economia, quanto para a educação. Afinal, a mudança da nação é potencializada pelo ensino e pela juventude.

Então, o principal objetivo deve ser estimular o acesso à instrução. Com isso, uma das possibilidades de dar oportunidade para esse público é através de estágio. Isso, somado à oportunidade de trabalharem e se desenvolverem profissionalmente, com uma carga horária reduzida, potencializa ainda mais a carreira desses indivíduos.

Taxa de desemprego

Essa possibilidade é muito importante, principalmente frente à taxa de desemprego da população brasileira de 18 a 24 anos. Essa passou de 23,8%, no 4º trimestre de 2019, para 27,1% no 1º trimestre deste ano, de acordo com a Pnad Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um número bem acima da média geral de 13,8% do país no período. Por isso, é tão importante as empresas entenderem o seu papel social de empregadoras.

Nesse sentido, o ato educativo escolar supervisionado é um grande aliado da permanência do estudante no ambiente acadêmico. Isso porque só pode exercer a atividade quem está regularmente matriculado e frequentando uma instituição de ensino, seja do nível médio, técnico, superior ou EJA (Educação de Jovens e Adultos). Além disso, a iniciativa promove uma renda para o educando, por meio da bolsa-auxílio, permitindo melhores condições de vida e a manutenção do seu aprendizado.

(*) Informações da assessoria