Ex-policial civil teria contratado pistoleiro para executar veterinário, aponta investigação da Secretaria de Inteligência da SSP

A Secretaria-Adjunta de Inteligência (Seai), da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), solucionou o caso do desaparecimento do veterinário Fernando Augusto Souza Moura, de 64 anos, 24 horas após seu corpo ter sido encontrado num igapó a margem direita do rio Negro, em frente à capital Manaus.

Além disso, a Seai/SSP prendeu quatro envolvidos com a morte do médico, resultado de crime de encomenda, e procura um quinto suspeito, conforme explicou o secretário de Inteligência, Thomaz Vasconcelos. Foram presos o mandante do homicídio, o policial civil aposentado Dorval Vieira Rodrigues, de 82 anos; Evandro Souza dos Santos, 40; Zacarias Araújo Duarte, o “Timbal”, de 44; e José Bernardo de Oliveira, o “Zé Canoeiro” ou “Zé Pirarucu”, de 61.  Jardel Brito da Silva, vulgo “Vovô”, de 29 anos, que teria conduzido a lancha “voadeira” está sendo procurado pela polícia.

De acordo com o secretário Thomaz, as investigações começaram na manhã de segunda-feira, quando a SSP foi procurada pela família do veterinário, que estava sumido desde a tarde de sábado, quando foi atraído pela quadrilha para falso atendimento a um cão do outro lado do rio.

O ex-policial civil disse que encomendou o crime por vingança porque o veterinário teria sumido com seu cachorro de estimação há cerca de um ano, em uma história considerada confusa pelos policiais.

Thomaz contou que as imagens do Centro Integrado de Operações (Ciops), da SSP, colaboraram bastante para o trabalho dos investigadores da Seai, que na manhã de ontem (terça-feira) já tinham descoberto todos os envolvidos com o crime, faltando apenas a localização do corpo, que foi indicada pelo autor do disparo fatal, o “Zé Canoeiro”, conforme confessou em depoimento.

Com o apoio da Delegacia Fluvial, da Polícia Civil, e de mergulhadores do Corpo de Bombeiros, a Seai levou os suspeitos ao igapó que fica do outro lado do rio Negro, onde encontrou primeiramente a mala de trabalho do veterinário, bastante manchada de sangue, na manhã de terça-feira. “Os suspeitos ainda tentaram dificultar a indicação do local onde jogaram o corpo do médico, mas à tarde resolveram apontar o local exato. Os mergulhadores, então, encontraram rapidamente o cadáver”, disse Thomaz.