Executivo da Pfizer confirma que governo Bolsonaro ignorou ofertas de 70 milhões de doses de vacinas

O presidente da Pfizer da América Latina e ex-presidente da farmacêutica no Brasil, Carlos Murillo, presta depoimento à CPI da Covid. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente da Pfizer da América Latina e ex-presidente da farmacêutica no Brasil, Carlos Murillo, presta depoimento à CPI da Covid. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O gerente-geral da farmacêutica Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, confirmou em seu depoimento aos senadores da CPI da Covid que o governo de Jair Bolsonaro rejeitou três ofertas de 70 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech, cujas primeiras doses poderiam ter sido entregues em dezembro de 2020. A CPI investiga ações e omissões do governo durante a pandemia.

Segundo o executivo, que era presidente da Pfizer no Brasil em 2020, a primeira oferta de 70 milhões de doses, em 14 agosto, tinha prazo para resposta de 15 dias — governo ignorou o prazo e a oferta expirou.

A segunda e terceira ofertas de 70 milhões de doses foram feitas em 18 e 26 de agosto, e também não foram aceitas pelo governo, segundo Carlos Murillo.

Todas as ofertas tinham cronograma de início da entrega em 2020. A terceira oferta, em 26 de agosto, previa a entrega de 1,5 milhão de doses ainda em dezembro do ano passado e mais 3 milhões no primeiro trimestre de 2021 — o resto seria entregue ao longo do ano.

Foi isso que aconteceu com a Coronavac, do Instituto Butantan, contratada pelo governo de São Paulo antes da aprovação da agência. A vacinação começou em 17 de janeiro, dia em que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu autorização de uso emergencial à Coronavac.

Em fevereiro, a Anvisa deu aprovação definitiva para a vacina da Pfizer, um dos primeiros países do mundo a fazê-lo. Mas o contrato com a empresa só foi fechado em março e a primeira remessa de cerca de 1 milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech chegou ao Brasil no final do último mês de abril.

Murillo afirmou à CPI que os outros países fecharam o contrato de compra antes da aprovação das agências regulatórias. Nos EUA, a vacinação começou em 14 de dezembro de 2020 com aprovação emergencial pela FDA, a agência regulatória americana.

Fechamento do contrato e preços

Segundo Murillo, em novembro o governo brasileiro afirmou que o contrato só poderia ser feito após a aprovação da Anvisa, portanto novas ofertas só foram feitas em 2021, depois que a agência regulatória deu seu parecer positivo para a vacina da Pfizer.

O contato do governo federal com a empresa só foi fechado em 8 março, quando a pandemia atingia pico no Brasil e o número de mortos por covid-19 chegava a 400 mil. O contrato fechado prevê 100 milhões de doses, com as primeiras 14 milhões de doses chegando no segundo trimestre de 2021.

As primeiras 1 milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech chegaram ao Brasil no final do último mês de abril.

A política de preços da empresa, disse o executivo, é de três preços diferentes para três tipos de países: nações com renda alta, média e baixa. O Brasil se situaria entre as nações com renda média e o preço ofertado sempre foi de 10 dólares por dose.

O executivo também afirmou que todos os países foram procurados pela Pfizer ao mesmo momento.

Carta a Bolsonaro e envolvimento de Wajngarten

Murillo também confirmou que a empresa enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro assinada pelo presidente global da empresa, no final do ano passado. O objetivo era tentar fazer com que as negociações avançassem.

O documento mencionava as três ofertas feitas em agosto e a intenção da empresa de avançar as negociações com o Brasil. Segundo Murillo, essa carta não foi respondida nem pelo presidente nem pelo ministério da Saúde.

“Não recebemos resposta da presidência”, disse Murillo.

Em novembro, no entanto, houve uma reunião presencial entre Carlos Murillo e membros do ministério da Economia para tratar sobre a compra das vacinas. De acordo com o executivo, todas as informações disponíveis foram apresentadas.

Murillo confirmou que conversou com o ex-secretário de Comunicações Fábio Wajngarten sobre o imunizante. Disse que foi Wajngarten que procurou a empresa e não o contrário.

“As conversas com o Fábio Wajngarten, no nosso entendimento, foi para uma possível coordenação dele”, disse Wajngarten, mas negociação em si, afirmou, foi sempre com o ministério da Saúde. Depois, questionado novamente sobre o assunto, Murillo afirmou que nunca houve “expectativa formal” de que ele coordenasse, mas que a empresa considerou importante o contato pois Wajngarten tinha circulação entre outros ministérios.

“Eu não conheço o funcionamento dos órgãos governamentais e não posso indicar a função (que ele tinha), mas posso enfatizar que nossa negociação foi com o ministério da Saúde”

As discussões em torno da demora para adquirir vacinas foram responsáveis por alguns dos momentos mais tensos do depoimento do ex-secretário de Comunicação do governo, Fabio Wajngarten, à CPI na quarta-feira, em que ele confirmou ter se envolvido nas tratativas e confirmou a lentidão do governo em responder à Pfizer .

O ex-secretário de Comunicações havia dito à revista Veja que as negociações não avançaram por “incompetência” do ministério da Saúde.

Durante a CPI, no entanto, Wajgarten disse à CPI que nunca tinha feito parte destas negociações e que apenas participou com reuniões com a Pfizer “para ajudar”.

O ex-secretário também disse que procurou Bolsonaro para falar do assunto e cobrar que o assunto avançasse.

Wajngarten também disse que procurou pessoas públicas e empresários para tentar viabilizar a compra de doses desta vacina. “Tenho muito orgulho disso.”

Ações de Pazuello

Carlos Murillo afirmou que teve apenas duas interações com o ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

A primeira, disse ele, foi em novembro, quando ele ligou ao executivo por celular se colocando à disposição para negociar — neste momento tínhamos feito uma nova oferta (além das três iniciais de agosto) de 70 milhões.

A segunda foi pessoalmente no ministério da Saúde, em uma reunião em 22 de dezembro, com a equipe do ministério que estava cuidando das tratativas.

“Ele disse que as negociações estavam avançando e que precisávamos de mais doses para o Brasil. E eu afirmei nosso compromisso de buscar cada vez mais doses para o Brasil.”

Em nenhum dos momentos houve fechamento de compromisso de compra.

Cláusulas ‘leoninas’ e dificuldades da negociação

Questionado sobre as dificuldades na negociação com o ministério da Saúde, Murillo afirmou que inicialmente “os temas complexos da negociação” eram relacionados à questão logística.

“O ministério tinha preocupação porque nossa vacina requer um armazenamento de -70º C e isso era uma preocupação. Mas em novembro apresentamos uma caixa de armazenamento que era um avanço da ciência que permitia manter a temperatura apenas com gelo seco”, disse.

Em seguida, afirmou, as preocupações do ministério se tornaram outras duas questões, disse Murillo.

“Uma era o registro da Anvisa e a segunda era uma autorização legislativa específica para atender as condições contratuais”, isso foi objeto das negociações entre dezembro e fevereiro.

Carlos Murillo afirmou que não é verdade a informação passada pelo ministro da saúde Eduardo Pazuello ao senado, em fevereiro, de que a Pfizer tinha oferecido apenas 6 milhões de doses.

Murillo disse novamente que as ofertas da Pfizer ao governo brasileiro foram de 70 milhões de doses, e não de 6 milhões.

O executivo também disse que não concorda com o posicionamento de Pazuello de que as condições contratuais eram “leoninas”.

“As condições que oferecemos para o Brasil são exatamente as mesmas que a Pfizer negociou com 110 países no mundo”, disse Murillo.

“Nesse pandemia a Pfizer correu um risco sem precedente e exigiu a todos os países as mesmas condições que exigiu para o Brasil.”

Falas de Bolsonaro

O relator Renan Calheiros também perguntou sobre as falas do presidente da República contrárias à vacina, como em dezembro, quando Bolsonaro falou que quem tomasse vacina poderia “virar jacaré”.

“Nós somos uma companhia baseada na ciência. Apesar dessas declarações, continuamos com nosso objetivo de tornar a vacina disponível para o público brasileiro”, disse Murillo. “Eu nunca ouvi essas palavras de parte das pessoas que eu estava negociando. Elas nunca fizeram declarações assim.”

Pergunta com base em informação errada

Apesar de ser composta majoritariamente por senadores oposicionistas ou independentes, a CPI também tem a participação de alguns senadores governistas.

Um deles é o senador Marcos Rogério (DEM-RO), que também questionou o executivo da Pfizer.

Algumas de suas perguntas, no entanto, foram baseadas em informações erradas. Rogério afirmou que “a informação que eu tenho é que a vacinação nos EUA não começou em dezembro” e questionou como a Pfizer entregaria vacinas ao Brasil naquele mês se, segundo ele, a vacinação não tinha começado em dezembro nos EUA.

No entanto, essa informação do senador não é verdadeira.

A vacinação contra covid, com vacinas da Pfizer/BioNTech, começou no dia 14 de dezembro de 2020 nos Estados Unidos, alguns dias depois da FDA (agência regulatória americana) aprovar, em 11 de dezembro, uma autorização emergencial para o seu uso.

Os Estados Unidos foi um dos países que fechou o contrato de compra com a empresa antes a autorização de sua agência regulatória, e iniciou a vacinação pouco tempo depois da entrega das vacinas.

Reunião com Wajngarten e Carlos Bolsonaro

Murillo afirmou que a reunião de Wajngarten com uma representante do departamento jurídico da Pfizer no Palácio do Planalto no ano passado contou com a presença do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e do assessor internacional da presidência da República, Filipe Martins.

Em uma descrição do encontro lida pelo executivo diz-se que após cerca de uma hora de reunião, Wajngarten recebe uma ligação e sai da sala. Minutos depois, entram Martins e Carlos Bolsonaro.

Em seu depoimento na quarta (12/05), Wajngarten negou que tivesse contato frequente com o filho do presidente, disse que não costumava se reunir com ele e que a quantidade de vezes que os dois haviam trocado palavras cabia em uma mão.