Falta de manutenção pode causar acidentes aéreos na área urbana de Manaus

A Comissão de Trânsito e Transporte da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), discutiu nessa quinta-feira (24), as possíveis causas para as quedas de aviões registradas nos últimos dois anos no Amazonas. A suspeita é de que a falta de manutenção das aeronaves que utilizam o aeroclube de Manaus tenha contribuído para os acidentes aéreos.

Segundo o presidente da comissão, deputado Wanderley Dallas, existe a suspeita que os aviões não estão recebendo a manutenção necessária para continuar funcionando. “Recebemos denúncias de falhas técnicas envolvendo as aeronaves”, disse Dallas. “Essas falhas podem ser fatais se o avião estiver no ar”, acrescentou.

Na tentativa de resolver o problema, o parlamentar informou que a comissão de Transporte vai solicitar às empresas de aero táxi o certificado de manutenção dos aviões. As cópias dos documentos serão enviadas à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a outros órgãos que cuidam da segurança na aviação.

A intenção é conferir se a manutenção das aeronaves está sendo feita do modo correto e nos prazos estabelecidos por lei. Ainda segundo Dallas, a comissão também vai solicitar à Anac o relatório das causas dos acidentes aéreos envolvendo os aviões que chegam ou decolam do aeroclube.

Durante a reunião, também foi abordado a transferência do aeroclube para fora da área urbana de Manaus. Foi sugerido, em maio do ano passado, que o aeroclube seja levado para um terreno na rodovia Manoel Urbano, entre Manaus e o município de Iranduba.

A proposta foi aceita pelos donos de empresas de aero táxi e pelos moradores das proximidades do aeroclube. Os empresários revelaram que o terreno onde funciona o aeroclube, no conjunto Flores, pertence ao governo Federal. Para uso do imóvel, os empresários pagam aluguel à União.

“Eles (empresários) pagam caro pelo uso do terreno”, explicou o deputado Luiz Castro. “Esse é um dos motivos que levam os donos de aero táxi a sair da área urbana de Manaus”, destacou.

Em agosto deste ano termina o contrato de locação do terreno. O imóvel deverá ser repassado pela União à prefeitura de Manaus ou para administração do governo do Estado.

“Com o término do contrato, o aeroclube poderá ser fechado ou finalmente transferido para outro local. Nos próximos meses teremos uma posição sobre o assunto”, prevê o deputado Dermilson Chagas.

Com informações da assessoria do deputado