Familiares e amigos de Manuela Otto fazem manifestação para que assassino não fique impune

Foto: Divulgação 

Representantes do movimento LGBT, familiares e amigos da mulher trans, Manuella Otto, que foi assassinada a tiros pelo cabo da polícia militar, Jeremias da Costa Silva, fizeram uma manifestação, na manhã desta sexta-feira (19), em frente a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na zona Leste, para pedir Justiça e que o autor do crime não fique impune.

“O nosso movimento é preciso, tivemos que vir às ruas, tivemos que nos manifestar para pedir Justiça para que esse crime não fique impune a polícia prende mas a justiça solta. A Manuela era uma pessoa do bem sempre colaborou pela cidade de Manaus sempre fez sua parcela de ser humano e cidadania, era uma pessoa maravilhosa que sempre ajudou sua família”, disse  a presidente da Associação  LGBT em Manaus , Bruna La Close.

Bruna La Close também fez um apelo ao Secretário de Segurança Pública do Amazonas, Coronel Louismar Bonates. “ Não deixe isso ficar sem punição, vamos fazer com que esse cara não saia pela porta da frente e fique sorrindo da comunidade LGBT e sorrido da sociedade”, disse Bruna La Close.

“Que o caso da Manuela não vire só uma estatística, direito para todos igualdade para todos. Eu peço Justiça condenação e expulsão, Porque a polícia é para proteger e não para aterrorizar e não para fazer o que fez com a minha filha”, disse a mãe da vítima, Hylma Souza.

O PM Jeremias Silva foi preso na tarde desta quinta-feira (18), em razão de um mandado de prisão preventiva e foi encaminhado para a sede da DEHS. A ordem de prisão foi expedida pelo Plantão Judicial, no final da tarde da última quarta-feira (17).