Familiares realizam manifestação e acusam PMs de matar jovem durante abordagem na orla do Educandos (ver vídeo)

A família diz que só vai descansar quando os policiais envolvidos forem identificados e presos

Familiares do jovem Luiz Henrique Andrade, 21 anos, morto após suposta abordagem policial, realizaram uma manifestação, na noite dessa terça-feira (29), na frente da orla do Amarelinho, no Educandos, para cobrar às autoridades uma solução para o caso. A família acusa policiais militares de terem mandado Luiz pular no Rio Negro, o que fez com que ele morresse afogado, no sábado (26).

A manifestação contou com familiares e amigos do jogador de futebol, que segundo a família teria sido obrigado a pular no rio mesmo após informar que não sabia nadar. Na ocasião, eles atearam fogo em colchões e interditaram a rua Inocêncio de Araújo, em frente a igreja católica Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Além disso, eles carregavam cartazes e faixas pedindo justiça pelo caso.

A família quer uma investigação sobre o caso e diz que só vai descansar quando os policiais envolvidos forem identificados e presos. Já a PM, disse ao Radar Amazônico que ia apurar o suposto envolvimento dos policiais na morte de Luiz Henrique.

Ainda de acordo com a mãe da vítima, Leila Coelho, o rapaz, que jogava futebol profissionalmente, voltava de uma partida com os amigos quando foi abordado por policiais, ainda não identificados, que ordenaram o jovem a pular no rio e atiraram contra ele.

Eles me ligaram e falaram: olha, a polícia pegou teu filho, levaram ele ali pra trás e bateram nele,  deixaram ele nu e disseram para ele cair dentro d’água. Pegaram ele de volta, mandaram ele vestir a roupa e depois jogaram de novo”, explicou Leila.

O MP já instaurou procedimento para apurar o suposto envolvimento dos policiais militares na morte de Luiz Henrique Coelho.

Veja vídeo da manifestação: