Fármácia de João de Deus é interditada pela Vigilância Sanitária

Mais um desenrolar do caso João de Deus veio à tona neste domingo (23). O laboratório da farmácia, que funciona na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, Goiás, foi interditado pela Superintendência de Vigilância em Saúde de Goiás (Suvisa). A justificativa do órgão é que o espaço não tinha autorização para produzir em escala industrial. O médium se entregou no último dia 14. Ele é acusado de estuprar centenas de mulheres durante atendimento na Casa Dom.

A Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) disse que a interdição atinge somente o laboratório, permitindo as vendas dos medicamentos. À TV Anhanguera, a pasta esclareceu que a farmácia tem alvará para produzir os remédios, mas não na escala em que estavam sendo feitos.

Conforme apuração da reportagem, cada frasco de comprimidos comercializados no local estava na casa dos R$ 50. O espaço também vende garrafinhas considerada fluidificada, sendo a maior delas R$ 10.

Em depoimento, João de Deus, quando questionado sobre o assunto, disse que a farmácia conta com um profissional farmacêutico. Com relação aos componentes dos medicamentos, ele se limitou a dizer que “todos são iguais, mas a energia presente é a indicada para cada um dos frequentadores”.

No mesmo interrogatório, o médium garantiu que “no atendimento não é repassado receita, as orientações são repassadas pelo espírito, ou seja, não é de maneira escrita”. Ainda de acordo com o líder religioso, “alguns frequentadores já adquirem os produtos, mesmo sem o encaminhamento do espírito, pois são frequentadores do local há muitos anos e acreditam na eficiência do produto”.

Fonte: Notícias ao Minuto