“Fazenda” que deputado Orlando Cidade diz ter, é arrendamento rural que não está sendo pago há dois anos

Cidade do Pirarucu solda capa

Informações que chegaram ao Radar sobre o deputado Orlando Cidade e a “fazenda” que ele diz ser dele quando fala ao telefone com o governador José Melo se queixando porque o pescado de sua propriedade foi apreendido na Feira da Liberdade, em Manacapuru, por policiais do Batalhão Ambiental, dão conta que, na verdade, a área é de propriedade da empresa Agroindustrial Manacapuru e foi arrendada para o deputado para implantar uma tal de Cooperpeixe (Cooperativa de Piscicultores, Aquicultores, Produtores Rurais e Extrativistas do Amazonas), com a qual ele jura não ter nada a ver, igualzinho no caso da apreensão de pescado ilegal que agora ele diz não ser dele. Mas no vídeo postado no Radar, durante a apreensão, o deputado afirma ao governador que o pescado é da “nossa fazenda” – será que o “nossa que ele quer dizer é dele e do governador, hein gente?

Segundo fontes do Radar, a Agroindustrial Manacapuru entrou com a ação na Justiça para rever a área, alegando apropriação indébita por parte do deputado Orlando Cidade já que ele não paga o arrendamento da área há dois ano. A ação contra o deputado Orlando Cidade está na 2ª Vara de Manacapuru. Essas mesmas fontes apontam ainda mais descalabros praticados por Orlando Cidade se valendo sempre de uma pseudo-autoridade que ele diz ter por ser parlamentar. Um desses descalabros é que o peixe que ele diz vir da sua “fazenda”, na verdade não é produzido lá. “Isso é pesca ilegal feita por pessoas ligadas ao deputado. Não é dos tanques do arrendamento. Lá tem é pirarucu. Então, o deputado age como atravessador e vende o peixe na feira como se fosse do arrendamento. Por isso, os policiais devem ter visto irregularidade na nota fiscal, uma delas é que o peixe não tem procedência”, explica a fonte do Radar.

Cidade do Pirarucu 3Crimes Ambientais

E como se não bastasse não receberem pelo arrendamento da área, os proprietários do terreno estão tendo que se defender na Justiça por várias multas ambientais por causa da extração ilegal de minério e de madeira. Essas multas, na verdade, seriam direcionadas para o deputado Orlando Cidade já que ele é que teria autorizado as atividades ilegais.

Mas, para o deputado Orlando Cidade, os chamados crimes ambientais não passam de invenção de ambientalistas que atravancam o desenvolvimento do Estado. (Any Margareth)