Filhote de peixe-boi resgatado chega em Manaus após três dias de viagem (ver vídeos)

Um filhote de peixe-boi, animal ameaçado de extinção, com pouco mais de um mês de vida, que estava sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente de Tonantins, chegou ao Porto de Manaus, na tarde desse sábado (17), após três dias de viagem.  O mamífero foi achado por um pescador na comunidade de São Sebastião de Jacapari, em Tonantins, após o animal recém-nascido ficar preso na sua malhadeira de pesca.

No ato de tentar salvar o animal, o pescador colocou o filhote em um reservatório e logo depois procurou a sede do munícipio para ter apoio ao resgate do animal. Este ficou sob a responsabilidade da equipe da Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente de Tonantins por 30 dias. As autoridades locais de Tonantins pediram apoio dos órgãos ambientais de Manaus e autoridades para a transferência do animal, pois o filhote necessitava de cuidados médicos veterinários e de amamentação.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente e a Comissão de Proteção aos Animais, Assuntos Indígenas, Cidadania e Legislação Participativa da Assembleia Legislativa, que tem como presidente a Deputada Joana Darc, viabilizaram o transporte e o trâmite burocrático para a chegada do recém-nascido ao município de Manaus e sua transferência ao Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA) .

O embarque do peixe-boi ficou sob responsabilidade da equipe de Turismo e Meio Ambiente de Tonantins e durou cerca de três dias de viagem na embarcação N/M GM OLIVEIRA I. A tripulação do barco colaborou e a equipe de Tonantins, composta por Ruberval Xavier e seu irmão, revezaram durante todas as madrugadas para a amamentação do bebê peixe-boi. Os homens acompanharam a viagem do mamífero e cuidaram dele até o seu local de destino, o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA). Chegando lá, eles se despediram dele com o sentimento de dever cumprido.

Segundo o veterinário presente na operação, Dr. Anselmo D’Affonseca, o animal é macho e foi nomeado de Jacapari. Ele entrará no Programa de Reintrodução de peixes-bois para, depois de dois anos de amamentação, ser devolvido à natureza.

Assim que chegou, Jacapari foi pesado, examinado e amamentado (ver vídeo de sua primeira amamentação no INPA no final da matéria). O animal logo se juntou com outros quatro filhotes que estavam em seu tanque de água.

Recomendações 

Após o momento em que Jacapari chegou ao INPA, o veterinário Anselmo D’Affonseca, que atua no projeto Aquáticos da Amazônia, explicou que o Instituto costuma receber uma média de doze filhotes por ano. E deu algumas recomendações sobre o assunto.

“A grande maioria das pessoas que retiram um filhote com a intenção de cuidar não possuem o instinto de devolver imediatamente o animal de volta ao local que ele foi retirado acidentalmente. Porém, nesses casos, o melhor a se fazer é devolver o animal em até 24 horas de volta ao rio, pois nesse tempo a mãe ainda consegue localizar o filhote.”

Como este teria sido retirado por muito tempo, o indicado era ser criado pelas autoridades até os dois anos de vida e depois ser reinserido ao meio ambiente.