Fim de foro para derrotados nas eleições abre caminho à Lava Jato, diz procurador

O início da nova legislatura no Congresso, nesta sexta (1º), é aguardado com expectativa pela força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná.
Para membros do Ministério Público Federal, o fim do foro especial de congressistas que não se reelegeram pode abrir uma nova frente de investigação, fazendo descer à primeira instância inquéritos e denúncias que atualmente correm a passos lentos no STF (Supremo Tribunal Federal).

“Temos uma limitação, por enquanto, no tocante aos agentes que possuem prorrogativa de foro”, disse o procurador Roberson Pozzobon, integrante da força-tarefa da Lava Jato no MPF, durante entrevista à imprensa nessa quinta-feira (31).

Segundo ele, o fim do foro para deputados e senadores não reeleitos pode abrir “um novo caminho de investigação”, e gerar novas frentes de trabalho no Paraná.
“Amanhã [sexta] se encerra uma legislatura. Parte dos parlamentares não foi reeleita. Nessa medida, não mais possuirão prerrogativa de foro. Talvez aí se abra um novo caminho de investigação.”

Os procuradores também têm feito campanha nas redes sociais pelo voto aberto para a presidência do Congresso, e pedem a aprovação de pacotes legislativos que ampliem as ações anticorrupção no país.

A Operação Lava Jato irá completar cinco anos em março deste ano, e está atualmente em sua 59ª fase.