Finlândia abandona neutralidade e anuncia candidatura à Otan

Suécia também caminha a passos rápidos para apresentar candidatura

presidente do país, Sauli Niinistö, ao anunciarem a candidatura à Otan – Heikki Saukkomaa/Lehtikuva/via Reuters

A Finlândia decidiu solicitar a adesão à Otan (Aliança do Tratado do Atlântico Norte), anunciaram neste domingo (15) o presidente e a primeira-ministra do país, abandonando décadas de não alinhamento militar após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

“É um dia histórico. Começa uma nova era”, declarou o presidente finlandês, Sauli Niinistö, em uma entrevista coletiva, ao oficializar o que vinha sinalizando que faria desde a semana passada.

“Conseguiremos segurança e a estenderemos para a região do mar Báltico e para toda a aliança”, disse ele a repórteres.

O Parlamento finlandês deve examinar na segunda-feira o projeto de adesão, mas analistas consideram que a grande maioria dos congressistas apoia a iniciativa. A Suécia também deve solicitar o ingresso no tratado, seguindo Helsinque e abandonando décadas de neutralidade.

A Finlândia, que compartilha uma fronteira de 1.300 quilômetros com a Rússia, permaneceu como um país não alinhado durante 75 anos. Mas depois que a Rússia iniciou a invasão da Ucrânia em fevereiro, o consenso político e a opinião pública se inclinaram a favor da adesão à aliança militar.

O presidente finlandês e a primeira-ministra Sanna Marin tinham anunciado na quinta-feira que eram favoráveis a uma adesão “sem demora” à Aliança Atlântica.

No sábado, Niinistö ligou para o colega russo, Vladimir Putin, para comunicar que o país estava prestes a solicitar a adesão. Putin respondeu que seria um erro o país abandonar sua neutralidade e se unir ao tratado.

Moscou advertiu em várias ocasiões para consequências caso Helsinque e Estocolmo se juntassem à aliança.

Mais reticente em abandonar uma neutralidade que remonta ao século 19, a Suécia também caminha rapidamente para oficializar uma candidatura à aliança militar.

Após debates internos na semana passada, os sociais-democratas da primeira-ministra Magdalena Andersson devem mostrar-se neste domingo serem favoráveis à adesão. Espera-se que as lideranças do partido, o maior de todas as eleições desde o século passado, vençam as discussões internas e apoiem a adesão ao bloco, o que daria ampla maioria aos favoráveis à candidatura no Parlamento sueco —grande parte da oposição já é a favor.

O próximo passo seria uma solicitação formal do governo de Andersson.

Em paz desde as guerras napoleônicas, a Suécia tem sido mais relutante em deixar de lado seu não alinhamento do que a Finlândia, que travou um conflito sangrento com a União Soviética no século 20.

Um pedido de adesão representaria uma espera tensa durante os meses em que demora a ratificação por todos os membros da Otan —a Turquia já manifestou objeções—, embora a aliança e a Casa Branca tenham dito estar confiantes de que quaisquer preocupações de segurança possam ser abordadas nesse período.

O finlandês Niinisto expressou sua disposição no domingo para conversar com seu colega turco Tayyip Erdogan sobre suas preocupações. Como membro da Otar, a Turquia pode vetar novos integrantes.