Flu x Vasco: Tricolor tem vantagem em semifinal que vai ferver

fred_fluminenseEmpurra daqui, empurra dali, discussões, pisão na mão, camisa rasgada e até troca de farpas entre dirigentes. Vasco e Fluminense capricharam na batalha no primeiro jogo da semifinal do Carioca, quinta-feira passada. Iguais na luta e nos gols, saíram empatados: 1 a 1 – Fred fez para o Flu, e Thalles respondeu. Este resultado dá a vantagem do empate ao Tricolor neste domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã. Dono de melhor campanha na Taça Guanabara, o time de Renato Gaúcho só precisa de nova igualdade para ir à decisão contra o Flamengo, que eliminou a Cabofriense. Ao Cruz-Maltino, a vitória basta. Sinal de que vai ferver.

Renato Gaúcho preferiu o mistério. Não revelou o substituto do volante Jean, que foi expulso no jogo de ida. O camisa 7 deve ser substituído pelo volante Rafinha, mas o meia Wagner, que já jogou mais recuado, também é uma alternativa. No mais, o treinador não tem problemas para armar a equipe titular.

Em São Januário, aparentemente não há mistério. E também não houve muito treino depois do confronto de quinta-feira. Com menos de 72 horas para se preparar, Adilson Batista preferiu o descanso e muita conversa. Ao que tudo indica, nada de armas novas em campo. Fred marcou nos dois encontros com o Vasco em falhas defensivas e merece atenção ainda maior. E, claro, o ataque precisa ser eficiente, do contrário a eliminação é iminente.

Fica a expectativa também pelo tamanho do público que estará presente ao estádio. Embora já fosse um jogo importante, os 90 minutos iniciais atraíram menos de 10 mil pagantes. Agora, a estimativa não é maior do que 20 mil, mesmo em um domingo. Reflexo de um campeonato com poucos atrativos. Ainda assim, no gramado, a disputa promete altas doses de tensão.

Fluminense: sem poder contar com o volante Jean, suspenso, Renato deve fazer uma troca simples e lançar Rafinha. Será surpresa se o treinador lançar o meia Wagner, por exemplo, já que ele tem a vantagem do empate. Nas demais posições, será o mesmo time do primeiro jogo: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Elivelton e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Rafinha (Wagner) e Conca; Walter e Fred.

Vasco:  a única possibilidade de mudança de Adilson Batista seria a entrada de Fellipe Bastos na vaga de Pedro Ken. Mas, mesmo com a boa participação e os elogios que o camisa 6 ganhou, a isso não parece provável para a partida decisiva. O treinador falou apenas após a primeira semifinal e trabalhou muito pouco com bola desde então. A formação teoricamente ofensiva, com dois atacantes de ponta (e obrigação de voltar para recompor) e um centralizado tem tudo para ser mantida. Assim, a equipe seria a mesma: Martín Silva, André Rocha, Luan, Rodrigo e Marlon; Guiñazu, Pedro Ken e Douglas; Reginaldo, Everton Costa e Edmílson.

Fonte: GE

– Atualizado em

Flu x Vasco, segundo ato: Tricolor tem vantagem em semifinal que vai ferver

Time de Renato Gaúcho está a um empate da decisão do Carioca. Cruz-Maltino tem de vencer para avançar. Jogo de ida foi marcado por discussões e lances duros

Por Rio de Janeiro

14 comentários

Empurra daqui, empurra dali, discussões, pisão na mão, camisa rasgada e até troca de farpas entre dirigentes. Vasco e Fluminense capricharam na batalha no primeiro jogo da semifinal do Carioca, quinta-feira passada. Iguais na luta e nos gols, saíram empatados: 1 a 1 – Fred fez para o Flu, e Thalles respondeu. Este resultado dá a vantagem do empate ao Tricolor neste domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã. Dono de melhor campanha na Taça Guanabara, o time de Renato Gaúcho só precisa de nova igualdade para ir à decisão contra o Flamengo, que eliminou a Cabofriense. Ao Cruz-Maltino, a vitória basta. Sinal de que vai ferver.

Renato Gaúcho preferiu o mistério. Não revelou o substituto do volante Jean, que foi expulso no jogo de ida. O camisa 7 deve ser substituído pelo volante Rafinha, mas o meia Wagner, que já jogou mais recuado, também é uma alternativa. No mais, o treinador não tem problemas para armar a equipe titular.

Em São Januário, aparentemente não há mistério. E também não houve muito treino depois do confronto de quinta-feira. Com menos de 72 horas para se preparar, Adilson Batista preferiu o descanso e muita conversa. Ao que tudo indica, nada de armas novas em campo. Fred marcou nos dois encontros com o Vasco em falhas defensivas e merece atenção ainda maior. E, claro, o ataque precisa ser eficiente, do contrário a eliminação é iminente.

Fica a expectativa também pelo tamanho do público que estará presente ao estádio. Embora já fosse um jogo importante, os 90 minutos iniciais atraíram menos de 10 mil pagantes. Agora, a estimativa não é maior do que 20 mil, mesmo em um domingo. Reflexo de um campeonato com poucos atrativos. Ainda assim, no gramado, a disputa promete altas doses de tensão.

Marcelo de Lima Henrique apita a partida, auxiliado por Luiz Cláudio Regazone e Michael Correia. A TV Globo transmite o clássico para RJ, ES, TO, SE, AL, PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF. O Premiere exibe para todo o Brasil, pelo sistema pay-per-view. O GloboEsporte.com acompanha todos os detalhes do duelo em Tempo Real com vídeos.

Fred jogo Vasco e Fluminense semifinal (Foto: Ricardo Ayres / Photocamera)Discussões marcaram o primeiro jogo da semifinal (Foto: Ricardo Ayres / Photocamera)

 

HEADER escalacoes 690 (Foto: Infoesporte)

Fluminense: sem poder contar com o volante Jean, suspenso, Renato deve fazer uma troca simples e lançar Rafinha. Será surpresa se o treinador lançar o meia Wagner, por exemplo, já que ele tem a vantagem do empate. Nas demais posições, será o mesmo time do primeiro jogo: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Elivelton e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Rafinha (Wagner) e Conca; Walter e Fred.

Vasco:  a única possibilidade de mudança de Adilson Batista seria a entrada de Fellipe Bastos na vaga de Pedro Ken. Mas, mesmo com a boa participação e os elogios que o camisa 6 ganhou, a isso não parece provável para a partida decisiva. O treinador falou apenas após a primeira semifinal e trabalhou muito pouco com bola desde então. A formação teoricamente ofensiva, com dois atacantes de ponta (e obrigação de voltar para recompor) e um centralizado tem tudo para ser mantida. Assim, a equipe seria a mesma: Martín Silva, André Rocha, Luan, Rodrigo e Marlon; Guiñazu, Pedro Ken e Douglas; Reginaldo, Everton Costa e Edmílson.