Foguete do Exército desvia rota e cai em plantação em Goiás

Foguete que perdeu a rota e caiu em uma plantação na cidade de Formosa, em Goiás - Reprodução

Foguete que perdeu a rota e caiu em uma plantação na cidade de Formosa, em Goiás – Reprodução

Um foguete perdeu a rota e caiu em uma plantação na cidade de Formosa, em Goiás, no fim da tarde de quarta-feira (11), durante um exercício militar. O local fica próximo ao Comando de Artilharia do Exército, que confirmou a queda.

O incidente foi registrado durante o curso de Operação do Sistema de Mísseis e Foguetes para oficiais e sargentos. De acordo com o Exército, não houve feridos nem danos materiais. O projétil foi recolhido e será analisado. Foi aberta uma investigação interna para apurar o ocorrido.

“O exercício foi planejado para ocorrer dentro dos limites do Campo de Instrução de Formosa, tendo sido adotadas todas as medidas de segurança”, informou o Exército, em nota. Segundo o comunicado, as investigações estão sendo realizadas com a Avibras Indústria Aeroespacial.

“Após o incidente, a equipe de instrutores e monitores, acompanhados da equipe médica do exercício, compareceu ao local do impacto, onde constatou não haver vítimas ou danos materiais”, afirma a nota.

O deputado federal José Nelto (PP-GO), que tem uma chácara na cidade, disse à reportagem que esteve no local da queda na manhã de quinta-feira (12) e que os moradores estavam em pânico. Segundo ele, havia dez trabalhadores na plantação de milho no momento do impacto, por volta das 11h30.

“O foguete mirou para o lado de Minas Gerais e voltou para trás, para Formosa. Poderia ter causado uma tragédia, pois caiu ao lado de um depósito de combustível e de um posto de gasolina. O chão tremeu, tamanho o impacto”, afirmou.

céu com três marcas de fumaça branca de foguete
Comando de Artilharia do Exército confirmou a queda do projétil – Reprodução

Nelto afirma que já enviou requerimento à Câmara para convidar o ministro da defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, e o comandante do Exército, general Marcos Antônio Freire Gomes, para dar explicações sobre o acorrido.

“Queremos saber sobre o lançamento desses foguetes e o grau de segurança daqui para a frente. Também queremos chamar professores do ITA [Instituto Tecnológico de Aeronáutica] para debater este assunto”, disse o deputado.

“Vamos pedir uma perícia neste lança-foguete, exigir investigação. Eles têm que mostrar o que aconteceu. Apurar quem teve culpa. O que levou ao erro de rota”, acrescentou.

O delegado da Polícia Civil de Goiás, José Antônio de Sena, informou que, como a questão envolve militares do Exército, a competência não é da Justiça comum. “Iremos só coletar as informações e encaminhar para a Justiça Militar da União.”