Foto comovente de pai e filho feridos na guerra síria vence prêmio internacional

Foto do turco Mehmet Aslan foi a vencedora do Concurso Internacional de Fotografia de Siena – Mehmet Aslan/SIPA Contest

Uma foto que mistura o drama de uma guerra que deixa cicatrizes com os sorrisos de pai e filho que conseguiram sobreviver e recomeçar foi a vencedora do Concurso Internacional de Fotografia de Siena (SIPA) deste ano.

Chamada “Hardship of Life” (a dureza da vida), a imagem do fotógrafo turco Mehmet Aslan mostra o refugiado Munzir al-Nazzal, que teve a perna direita amputada ao ser atingido por uma bomba quando andava em um mercado na cidade de Idlib, no norte da Síria.

Ele segura em seus braços Mustafa, 5, que nasceu sem os membros superiores e inferiores devido a um problema congênito causado pelas medicações que sua mãe, Zeynep, teve que tomar após ser atingida por um gás tóxico em meio ao conflito.

A ditadura de Bashar al-Assad é acusada pela ONU e por várias outras entidades de ter lançado ataques com armas químicas dezenas de vezes durante a guerra civil do país.

A família de Mustafa hoje vive em uma cidade turca na fronteira com a Síria. Foi lá que Aslan tirou a foto, vencedora do concurso que teve dezenas de inscrições de fotógrafos de 63 países.

O garoto precisará de próteses eletrônicas no futuro —e elas não estão disponíveis na Turquia, segundo a legenda da foto no site da premiação.

Em entrevista ao jornal americano The Washington Post, a mãe de Mustafa disse que ela e o marido buscam ajuda para o tratamento do filho e que “dariam tudo” para proporcionar a ele uma vida melhor.

O fotógrafo Sergio Pitamiz, um dos 20 jurados do concurso, disse em entrevista a um site australiano que a imagem é, “em seu drama, também um momento de alegria e felicidade para um pai e um filho que sobreviveram ao horror e a eventos que nós não podemos nem remotamente imaginar”.

“Apesar disso, e mesmo ainda estando em uma situação muito difícil, eles têm a força para sorrir. Em um clique há toda a tragédia do conflito, mas também a felicidade de ter sobrevivido a ele”, afirmou.