Fotografia de Leonardo Finotti reflete sobre a importância das ‘peladas’ de futebol nas periferias

Foto: Leonardo Finotti

Vale o quanto potencializa: há espaços na cidade, como esse campo vazio, que são preenchidos de possibilidade. Olhar para esse gramado bem tratado é adivinhar sua importância para a vida dos arredores: o futebol engaja, diverte, congrega. Geométrico, o campo além disso parece contrapor outra lógica a essa arquitetura mais irregular das moradias – de um lado, linhas brancas e verdes-escuras uniformes; de outro, alturas variadas, marrom dos tijolos e das paredes azuis, verdes, brancas, amarelas. Dispostas como que em arquibancada, parece que as casas vieram para o jogo.

O interesse do autor dessa imagem, Leonardo Finotti, por esses locais tão indispensáveis em um país como o Brasil é extenso: ele produziu uma série com centenas de registros do tipo, chamada Pelada. Como no caso da foto #276, que observamos aqui, o conjunto provê tomadas aéreas de todo tipo de campo: cobertos de grama ou de terra batida, em quadras e estádios ou montados apenas pelos riscos no chão. Contracenam com várias formas de habitação urbana, despontam entre prédios e vegetação, às vezes salpicados de pessoinhas disputando partidas.

A câmera não só dá a conhecer esses espaços como, indica Leonardo, pelo recorte e ângulo da foto oferece uma consciência nova. Esse é um viés que caracteriza a trajetória do artista ­– “Eu não consigo fazer diferente. A minha fotografia é muito estruturadora” – mas Pelada traz uma problemática sua: “Como você pega um espaço informal e o formaliza pelo olhar?”.

Como? Estimulados pela prática de Leonardo, podemos nos perguntar como organizaríamos os mesmos locais retratados por ele. Na cobertura televisiva do futebol, as cenas devem informar: a cada momento temos de saber quem está com a bola e para onde corre a partida. Trocando a perspectiva, que outras experiências revelamos? Vendo o campo pela ótica da torcida, ou ao pé do campo, em meio a chuteiras e bola? Cada estruturação mostra qualidades diversas. As fotos de Leonardo, por exemplo, evidenciam a força com que esses campos se incluem na cidade:

‘Ao fotografar a periferia da cidade de São Paulo numa perspectiva aérea, Finotti descobre que os campos de futebol introduzem uma referência espacial, uma estrutura, algo sagrado de alguma forma. Estes campos, na maioria dos casos, são os únicos espaços públicos dos bairros, e são verdadeiras áreas de resistência do domínio público. Estabelecem uma nova imagem cívica de respeito pelo espaço comum. Mostram, sem publicidade e sem patrocinadores, o verdadeiro poder da relação entre o futebol e as pessoas, a arte e a política.’

Vale o quanto potencializa: esses campos à espera ou ocupados pelos seus pequenos jogadores implicam uma visão de cidade que é a do convívio, da vizinhança, do estar. Reconhecendo a sua onipresença, podemos perguntar ­– em paralelo a afirmações do tipo “o que seria de uma cidade sem avenidas e rodovias?” – afinal o que seria de uma cidade onde não se pudesse jogar bola?

Sobre o artista

Leonardo Finotti é bacharel em arquitetura pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Sob tutoria do artista visual Thomaz Harrel, passou, aos 20 anos, em 1997, a desenvolver o interesse pela fotografia. Após realizar pesquisa na área e algumas exposições, transferiu-se para Portugal. Daí em diante, como informa o ArtSoul, sua obra será marcada por “dois pilares complementares”: “exploração rigorosa da arquitetura moderna” e “investigação dos espaços urbanos anônimos ou informais”.