Funcionamento do Hospital Delphina Aziz esquenta o clima entre oposição e situação na Aleam

Os deputados Wilker Barreto (Podemos) e Felipe Souza (Patriota) foram os grandes protagonistas da discussão no plenário

Foto: Danilo Mello/Aleam

Em clima de véspera de eleições estaduais, os ânimos se exaltaram na sessão plenária desta quinta-feira (7) da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), entre os parlamentares de oposição e de situação, mais precisamente entre os deputados do Podemos, Wilker Barreto e Dermilson Chagas, e o líder do governador Wilson Lima no parlamento estadual, o deputado Felipe Souza, do Patriota.

O tema principal que iniciou o debate acalorado foi mais um dos tantos programas anunciados pelo governador, o Opera+ com a realização de cirurgias eletivas no Delphina Aziz.

O deputado Wilker Barreto mostrou no telão parte do discurso do governador, no lançamento do programa Opera+, onde Wilson Lima diz que o Delphina Aziz de sua estrutura disponível à população para a realização de atendimentos ambulatoriais, exames laboratoriais e de imagem, e realização de cirurgias eletivas.

“Eu concordo com as cirurgias eletivas, nada contra, tudo a favor, mas vou colocar alguns adendos. O governador (Wilson Lima), um ano e meses depois da pior crise sanitária, anuncia que o Delphina Aziz está 100% funcionando. Aí eu volto para reflexão sobre os inúmeros apelos da população por atendimento, morreram amazonenses sem leitos e o governo admite que só agora o hospital funciona em plena capacidade. Isso é um reconhecimento cabal de que o governo brincou com as vidas do povo do Amazonas”, criticou o parlamentar.

Wilker lembrou ainda que, ao assumir que só agora o Delphina Aziz funciona com sua total capacidade, Wilson Lima desmente seu próprio governo que sempre afirmou que a estrutura do Delphina funcionava em sua totalidade para poder justificar o pagamento de um contrato milionário com a Organização Social (OS) Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH). “Então tem que devolver mais de R$ 40 milhões que foram pagos pelo funcionamento de uma estrutura que não existia”, disparou Wilker.

As críticas irritaram o líder do governo na Casa Legislativa, deputado Felipe Souza, que através de manifestação virtual, acusou os deputados oposicionistas de montar um “teatro” e os classificou de “profetas do caos”.

“Um verdadeiro teatro que fazem os deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas nessa casa, que são, na verdade, os profetas do caos. Só falam coisas ruins, só falam desgraças e jogam a população contra o Governo e a Assembleia Legislativa. O que tu tens de projeto, deputado Wilker Barreto? Só sabe gritar, é hora de dar um basta”, comentou.

Coragem

Em resposta aos ataques do líder do governo, o deputado oposicionista Wilker Barreto , em tom de sarcasmo disparou: “Reconheço a coragem do deputado Felipe Souza. É uma coragem que eu não teria em defender um governador que é chamado de chefe de organização criminosa por ministro do STF, acusado de fraude em licitação e superfaturamento de preços”, contra-atacou.

Se dirigindo ao seu colega de Parlamento, o deputado delegado Péricles, que presidiu a CPI da Saúde instalada na Aleam para apurar desvios de dinheiro destinado à pandemia, Wilker lembrou que foi a CPI e não ele, quem constatou que a OS Delphina Aziz recebia para funcionar com 100% de sua estrutura, mas isso não acontecia.

“O senhor (Felipe Souza) não está desmentindo a mim, mas sim a CPI da Saúde”, confrontou Wilker, situação confirmada pelo deputado Péricles que destacou, que há anos, o Delphina Aziz não funciona como deveria, mas durante o governo de Wilson Lima houve o pagamento para o funcionamento total da unidade de saúde, o que não aconteceu. Péricles defendeu também a devolução do dinheiro pago a mais para os cofres públicos.

Quem também não gostou de ser acusado de fazer teatro foi o deputado oposicionista Dermilson Chagas. “Quer dizer que fazer teatro é defender o povo? E como a gente chama o que o senhor está fazendo defendendo corrupto?”, contra-atacou Dermilson desafiando ainda Felipe Souza a dizer como ele, que defendia o impeachment do governador, virou líder do governo.

“Como alguém muda de opinião tão rápido? O que será que foi acertado naquele cafezinho lá no gabinete do governador?”, questionou Wilker.