Funcionário de mercado cobra uso de máscara e é agredido com skate

Um funcionário de um supermercado em Curitiba foi agredido na manhã de ontem por um cliente com um skate. O subgerente Luiz Fernando Rodrigues, de 31 anos, conta que abordou o homem, que estava na fila para comprar um refrigerante, e pediu que o rapaz colocasse a máscara.

“Eu não vi ele entrando na loja. Quando vi, ele estava no caixa. Abordei e falei que ele estava sem máscara. Se pudesse, como já estava para pagar, que cobrisse o rosto. Ele ficou bem alterado e começou a falar que eu não era ninguém para dar ordens para ele. Deixou o que ia comprar e me chamou para brigar no estacionamento”, afirma Rodrigues à reportagem de UOL.

Na sequência, o subgerente foi chamado para atender um caixa. Como mostram os vídeos de segurança do estabelecimento, às 11h24, é possível ver uma pessoa entrando no mercado, atingindo Rodrigues com um skate e, em seguida, saindo correndo.

“Eu não consegui ver que ele estava voltando. No que eu percebi, já levei o skate na cara. A pancada foi forte. Não sabia se ele ia bater mais e fui para o fundo”, lembra.

A Polícia Militar informou que foi acionada às 11h42 para prestar atendimento da ocorrência. Segundo a PM, a vítima fez o Boletim de Ocorrência e foram realizadas buscas para encontrar o suspeito, mas ele não foi localizado. A Polícia Civil diz que ainda não teve acesso ao Boletim de Ocorrência registrado pela PM.

O subgerente levou 5 pontos no rosto: três embaixo do olho e 2 na sobrancelha. “Está inchado e dolorido. Vou ter que ficar uns dias afastado”, afirmou. Segundo Rodrigues, ele não conhecia o cliente, mas alguns colegas falaram que ele já esteve na loja, que fica próxima a uma pista de skate.

A reportagem de UOL entrou em contato com o estabelecimento, que não quis se manifestar.

Obrigatoriedade de uso de máscaras 

Desde 28 de abril de 2020, o uso de máscaras é obrigatório em todo o estado do Paraná durante a pandemia. A Lei Estadual 20.189 considera a necessidade em espaços abertos ao público ou de uso coletivo, o que inclui os estabelecimentos comerciais, inclusive a possibilidade de aplicação de multa.

O texto da lei diz que “cabe aos estabelecimentos (…) exigir que todas as pessoas que neles estiverem presentes, incluindo o público em geral, utilizem máscara durante o horário de funcionamento, independentemente de estarem ou não em contato direto com o público”.

“No começo da pandemia, o pessoal ficava meio irritado quando se pedia para usar a máscara, porque não estavam acostumados. Mas, em nenhum momento, alguém me ameaçou. Normalmente, as pessoas ficam constrangidas quando são abordadas”, revela Rodrigues.

De acordo com a Polícia Civil, o depoimento de Rodrigues será tomado nesta tarde, assim como será realizado o exame de corpo de delito, para que as investigações prossigam.