Funcionários da cozinha do João Lúcio param por atraso de salários e pacientes ficam sem alimentação

O Radar recebeu denúncia, nessa terça-feira (21), através de funcionários do Hospital e Pronto João Lúcio, que os pacientes internados naquela unidade de saúde estariam sem alimentação por conta da paralisação dos funcionários que trabalham na cozinha do hospital. Os funcionários cruzaram os braços em protesto pelo atraso no pagamento de salários.

“A situação é caótica. Tem paciente passando muito mal porque está sem comer desde de manhã cedo. Não sabemos como fazer e não apareceu ninguém pra resolver até agora”, disse um dos funcionários do hospital, no início da tarde dessa terça-feira, que não quis se identificar com medo de represálias.

Antes de publicar a denúncia, como manda o bom jornalismo, o Radar entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde, (Susam) para pedir informações sobre a veracidade das informações e o que estaria sendo feito pra resolver o problema. Segundo a Susam, através da assessoria de sua assessoria de comunicação, o problema realmente aconteceu, mas já teria sido resolvido.

“Por conta da paralisação realizada nesta terça-feira (21), a diretoria do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio e a empresa terceirizada acordaram que haverá reposição de pessoal para que não ocorra falha no fornecimento da alimentação para os pacientes e funcionários da unidade de saúde”, diz a nota enviada ao Radar.

Nota de esclarecimento da Susam, na íntegra

“A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informa que, no primeiro mês da nova gestão, liberou aproximadamente R$ 40 milhões referentes ao pagamento das empresas que prestam serviços nas unidades da rede estadual de saúde, conforme acordado com seus representantes. O compromisso das mesmas é que priorizem o pagamento de seus funcionários.

Por conta da paralisação realizada nesta terça-feira (21), a diretoria do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio e a empresa terceirizada acordaram que haverá reposição de pessoal para que não ocorra falha no fornecimento da alimentação para os pacientes e funcionários da unidade de saúde.

Os pagamentos foram liberados inicialmente para as empresas que estão com contrato regular. O pedido de pagamento para a empresa ML Alimentos já está na Secretaria de Fazenda (Sefaz), mas há uma pendência de documentos que impediu o repasse na última semana.

Por conta da paralisação realizada nesta terça-feira (21), a diretoria do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio e a empresa terceirizada acordaram que haverá reposição de pessoal para que não ocorra falha no fornecimento da alimentação para os pacientes e funcionários da unidade de saúde”