Funcionários da limpeza pública de Presidente Figueiredo denunciam atraso no pagamento dos salários

Os funcionários da empresa de limpeza pública de Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus) denunciaram, nessa segunda-feira (10), pelas redes sociais, o atraso do pagamento dos salários. Por conta disto, eles cogitaram paralisar as atividades para cobrar da Prefeitura de Presidente Figueiredo os valores atrasados.  

Parte dos funcionários chegou a ir até a sede da Prefeitura, tentar se reunir com o prefeito Romeiro de Mendonça (PDT), mas não há informações sobre o desfecho da reunião.

Segundo informações publicadas nas redes sociais, os salários estão atrasados desde junho deste ano após desentendimentos políticos entre os gestores do município e os empresários que prestam os serviços à Prefeitura.

Em junho, os servidores públicos foram às ruas do município para protestar pelo não pagamento de direitos trabalhistas.

O Radar entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Presidente Figueiredo para tentar esclarecer a denúncia dos funcionários que atuam na limpeza municipal, mas até o fechamento desta matéria não houve retorno.

Romeiro de Mendonça virou alvo de uma investigação da Polícia Federal, que esteve no município em 29 de Agosto, que apura irregularidades na aplicação de recursos federais pela Prefeitura. .

O prefeito ja teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral do município, juiz Odílio Pereira Csta Neto, em dezembro de 2017, e retornou ao cargo, em janeiro de 2018, após uma decisão da 51ª Zona Eleitoral de Presidente Figueiredo, assinada pelo juiz temporário, Roger Luiz Paz de Almeida, que depois assumiu a titularidade da Justiça Eleitoral em Figueiredo.

Esta mesma ação está sob julgamento, desta vez, do pleno do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e o parecer do relator, desembargador Aristóteles Lima Thury, vice presidente do TRE, foi pela cassação de registro do prefeito.