Funcionários da Sempab acusam secretário de assédio moral

Nosso Radar decidiu, enfim, transmitir sinais de que há alguma coisa muito errada acontecendo na secretaria municipal de Feiras, Mercados, Produção e Abastecimento, porque não é a primeira, e nem mesmo a segunda vez, que são transmitidas mensagens de funcionários da secretaria reclamando da forma humilhante com que estariam sendo tratados pelo secretário da pasta, o tenente-coronel Fabio Pacheco da Silva. E, como dizem os mais velhos (e na maioria das vezes mais sábios), quando um fala, pode ser despeito e perseguição, dois falam, também podem estar errado, mas quando muitos falam, está mais pra ser verdade. Esta parece ser a situação que esta ocorrendo na Sempab, onde vários servidores dizem que o policial militar/secretário os trata pior do que estivessem num quartel. As definições dadas pelos servidores do tratamento dispensado pelo chefe são carregadas de palavras como: “ofendidos, menosprezados, rebaixados, inferiorizados, constrangidos…”.

Ninguém manda aqui

E contam que o secretário fala em alto e bom som – teve gente dizendo que ele berra mesmo – que podem ir reclamar até pro prefeito, porque quem manda lá é ele. Será que ele não sabe que, ao contrário da caserna onde antiguidade é posto e patente determina autoridade, no serviço público o chefe-maior é quem tem a caneta. E basta uma canetada….

Sem medo de blogueiro

O secretário/tenente-coronel também teria dito que com ele não adianta “contar nada pra essa raça de blogueiro porque ele não tem medo dessa gente”. Nesse caso, temos certeza, que a recíproca é totalmente verdadeira, os blogueiros dessa cidade, jornalistas em sua maioria, já deram enes demonstrações que não têm medo de escrever sobre que assunto for e sobre quem for. Afinal, o temor é feito para ser sentido por quem desrespeita às Leis dos homens e ofende as Leis de Deus, não é mesmo? Nesse caso, então, será que os blogueiros deveriam estar temerosos?

Bem aos ouvidos

E fez bem aos ouvidos o discurso feito esta semana pelo deputado estadual Vicente Lopes sobre o voto do ministro Celso de Mello, que definiu votação do STF pelo acatamento dos embargos infringentes, que darão nova chance a 12 réus do Mensalão de reduzirem suas penas ou até serem inocentados. O ministro, na sua justificativa de voto, disse que a Justiça não deve ceder “às pressões das multidões”. O deputado disse, da tribuna, ser  lamentável que se tenha a impressão de que a Justiça não é igual para todas as pessoas. Vicente Lopes disse entender que não se pode abrir mão do Estado Democrático de Direito, mas também não se pode deixar de ouvir a sociedade. Aplausos do Radar!