Governador determinou inclusive em documento que não houvessem punições a policiais , mas os comandantes da PM deram contraordem

governador jose melo“O governador do Estado compreendeu que não houve um movimento grevista, mas sim um movimento de manifesto da tropa, motivo pelo qual não cabe qualquer punição administrativa ou judicial para qualquer dos envolvidos no movimento, conforme determinado ao Secretário de Segurança em reunião”. Esse é um dos itens do texto do documento intitulado “Ata da primeira reunião na Casa Civil para tratar dos pleitos relativos à manifestação dos Policiais Militares do Estado do Amazonas”, assinado entre representantes dos policiais militares que paralisaram suas atividades em reivindicação por melhores condições de trabalho e de salários, e o Governo do Estado, representado pelo secretário chefe da Casa Civil, Raul Zaidan, e o Secretário de Segurança do Estado, coronel PM Vital. Mas, se assim como está no documento o governador, professor José Melo, determinou, os comandantes da PM decidiram outra coisa. “Todos os policiais militares que faltaram ao serviço na última segunda-feira serão punidos administrativamente”. Essa informação foi repassada a veículos de comunicação, nesta terça-feira (29), pelo assessor de Comunicação da Polícia Militar, coronel Benildo Brilhante, um dia após o governo fechar acordo com os policiais militares. O coronel fez entender ainda que a decisão teria partido dos comandantes das Companhias Interativas Comunitárias (Cicoms). “A punição é aplicada pelo comandante da própria Cicom. Essas questões não passam pelo Coando Geral”, enfatizou. Então, dá pra esclarecer aqui pro Radar, quem comanda quem na estrutura do Estado, por favor? (Any Margareth)