Governador diz que há possibilidade de reabertura gradual do comércio a partir de 1º de junho

blank

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou, neste domingo (24), que vai analisar a possível reabertura das atividades do comércio não essencial a partir do dia 1º de junho. Segundo ele, a suspensão das medidas restritivas dependerá do número de casos e enterros registrados na capital e no interior do Estado. A afirmação foi feita em entrevista ao canal CNN Brasil.

“Desde a semana passada, nós sentimos uma queda significativa no número de casos de coronavírus aqui no estado do Amazonas, e eu me refiro a óbitos. Temos acompanhado a quantidade de enterros que têm acontecido aqui na capital, que é um parâmetro mais seguro. Entre o final de abril e início de maio, houve um dia em que foram 167 enterros. Ontem houve 48 enterros, então, nós tivemos uma diminuição significativa”, observou o governador.

O decreto estadual que suspende as atividades não essenciais do comércio no Estado foi prorrogado no último dia 13 de maio e segue valendo até o dia 31. Com isso, se definido pelo Governo do Amazonas, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar no dia 1º de junho.

“Em algum momento, a vida precisa voltar à normalidade e isso tem que acontecer de forma gradual porque tem muita gente que perdeu seu emprego, principalmente aquelas pessoas que atuam na informalidade, essas pessoas já estão sem recursos, e aí precisamos encontrar o caminho do consenso. Naturalmente, ouvindo os especialistas, e eu tenho conversado muito com os profissionais da área de saúde, do comércio, da indústria e com os poderes, para que isso possa ser feito de forma muito responsável”, frisou.

De acordo com o governador, o Estado poderá adiar a retomada das atividades se os dados epidemiológicos indicarem um novo aumento de casos. “Se em algum momento a gente decidir reabrir a partir de junho e a gente começar a ter uma volta ou uma subida desses casos, nós não temos nenhum problema em retroagir e voltar com as medidas restritivas”, reforçou.

(*) Com informações da assessoria