Governador muda comando da SSP e tira do foco das atenções da Justiça Eleitoral secretário filmado usando estrutura da segurança em sua campanha à reeleição (Ver vídeo)

Vital 2Durante a campanha política, o governador e então candidato à reeleição, José Melo (PROS) fez acreditar que não faria mudanças no comando da segurança pública do Estado, declarando em tudo que é veículo de comunicação que este setor do seu Governo “estava muito bem, super coordenado” e argumentou que, tanto isso era verdade que “os índices de criminalidades estavam caindo”. Essas declarações foram dadas, por exemplo, numa entrevista para a TV Amazonas no dia 13 de outubro, durante o segundo turno eleitoral – se alguém quiser ver de novo temos a gravação, tá gente?  Mas, se achava que a segurança pública estava tão bem porque mudou o comando? O governador José Melo anunciou nesta segunda-feira, 22 de dezembro, o nome do ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas, delegado Sérgio Fontes, para o comando da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP).

Até que se prove o contrário, não há como dizer que o delegado federal Sérgio Fontes não é uma boa escolha, porém até os mais bestinhas dos seres humanos chega à conclusão que a urgência em anunciar mudanças, apenas na secretaria de Segurança Pública, tem tudo a ver com a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) e o pedido da cassação de registro de candidatura do governador José Melo, e de seu vice, Henrique Oliveira (SDD), feito pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) por abuso de poder político durante a campanha eleitoral. O Procurador Regional Eleitoral, Jorge Medeiros chegou a afirmar publicamente que existia “o aparelhamento da polícia em benefício da campanha de reeleição do governador” comprovado pela fartura de provas em vídeos, áudios e depoimentos.

E existe mesmo! No começo da campanha pela reeleição do governador as gravações se restringiam aos comandantes da PM, mas a situação passou a ficar ainda mais séria com gravações em áudio e vídeo do próprio secretário de Segurança, também oficial da PM, Coronel Paulo Roberto Vital, organizando atividades de campanha política na rua, como bandeiraços e panfletagens, com a presença obrigatória, segundo ele próprio determinava, de toda a cúpula policial do Estado, inclusive com a utilização de rádios comunicadores da polícia, carros oficiais e gasolina pagos com dinheiro público.

Mas, enquanto o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) continua com a ação dentro de alguma gaveta, o governador José Melo já tratou de fazer o que a gente chama popularmente de “tirar as broncas” com a Justiça Eleitoral tirando de cena o secretário de Segurança Pública, coronel Vital. E, fazendo o jogo de cena de disciplinador também não deve retornar aos postos de comando com os oficiais da PM que foram afastados pela Justiça Eleitoral por tirar as tropas da rua e dar ordens para que se engajassem na campanha do governador à reeleição, até mesmo participando da propaganda política, o Ronda no Bairro foi parar no Horário de Propaganda Gratuita. Esses oficiais foram aqueles denominados de “ficha suja” pela imprensa local por responderem a ações penas na Justiça, e que o governador Melo insistiu em dizer que não tirava do comando da PM porque “precisava de seus comandantes”.

Mas, vai tirar sim! E toda a cúpula da polícia vai participar de mais essa estratégia eleitoral porque em troca, e por tempo determinado, vão receber cargos no Executivo, já que pra isso é que o governador criou uns tais cargos de conselheiros e secretários extraordinários do Governo com polpudos salários. E, depois de algum tempo, quando a coisa acalmar e a Justiça Eleitoral não tiver mais no seu calcanhar, o govenador os trará de volta afinal, apesar da violência desenfreada que se instalou no Estado, esses comandantes ajudaram e muito a ganhar uma eleição e quem sabe o governador não vai precisar deles na próxima, não é mesmo? (Any Margareth)