Anúncio Advertisement

Governistas ameaçam sair do plenário novamente para brecar votação, nesta quinta-feira (21)

O líder do governo Dermilson Chagas (PEN), afirmou que a base governista pode brecar novamente a votação da Lei Orçamentária Anual, 2018, na sessão desta quinta-feira (21). De acordo com o parlamentar a base não concorda com o fato do presidente da Casa, David Almeida (PSD), ter votado duas vezes em um mesmo item. O parlamentar disse, ainda, que a base já pensa em procurar a justiça para intervir na aprovação de emendas dos deputados.

Ao fim da sessão Estavam reunidos na sala Vip da Aleam, e inconformados, Dermilson Chagas, Vicente Lopes (PMDB), Orlando Cidade (Podemos), Adjuto Afonso (PDT), Augusto Ferraz (DEM), Donmarques Mendonça (PSDB), Wanderley Dallas (PMDB), Drº Gomes (PSD), Belarmino Lins (Pros), Carlos Alberto (PRB), Josué Neto (PSD), Mario Bastos (PSD).

“Não está certo e nem é justo o presidente votar para empatar e depois desempatar. Isso é de acordo com a conveniência dele”, disse, ao ressaltar que, a base vai buscar fazer jogo duro, prometendo um clima ainda mais quente nessa última sessão plenária do ano. “Enquanto não tiver resolvido vamos continuar obstruindo. Não tem condições de dar aumento para policial, professor e para tudo que se quer. Não se pode jogar para a platéia e quebrar o Estado”, disse o líder do governo, ressaltando “se for possível vamos na justiça”.

Segundo Chagas, o governo não vê problema em usar o orçamento de 2017 se o de 2018, não for aprovado. Segundo o deputado de oposição, José Ricardo (PT), se o orçamento de 2018 não for votado ainda neste ano, o governo vai ter que usar o orçamento que foi aprovado em dezembro 2016..

“É a primeira vez que foram aprovadas emendas que vieram da sociedade. Isso porque a oposição conseguiu aprovar. Os deputados do governo têm que saber ganhar e perder. Não havia necessidade de sair, pois, essas emendas são criadas a partir da necessidade financeira do Estado. Não são emendas para inviabilizar o governo, mas sim para garantir o serviço público”, disse José Ricardo.

Foto: Erik Oliveira