Anúncio Advertisement

Governo contrata sem licitação empresa por R$ 120 milhões pra fazer auditoria, diz presidente da ALE

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado David Almeida (PSD), fez duras críticas ao governador Amazonino Mendes (PDT), nessa quinta-feira (9), por causa da negociação que ele vem fazendo para contratar, sem licitação, a empresa Fipe, que vai auditar as contas do Estado por R$ 120 milhões.

Durante sessão plenária na Assembleia Legislativa, o deputado afirmou que estranhou essa contratação já que o Governador voltou a declarar – ontem durante coletiva – que o Estado está falido. “O governador Amazonino se queixou dos terceirizados e na mesma fala disse que vai contratar uma empresa terceirizada para auditar as contas do Estado. Se quer auditar, faz como nós fizemos: pega a PGE (Procuradoria Geral do Estado), a Sead (Secretaria de Administração e Gestão), a Sefaz (Secretaria do Estado da Fazenda) e a Secretaria de Planejamento (Seplancti)”, disse.

Almeida criticou ainda a extinção da Seplancti e a contratação de uma empresa para fazer o planejamento do Estado. “Fipe é o nome da empresa e quem está por trás é a mesma pessoa que está trabalhando para vender a Cigás. Se insistirem com isso, eu digo quem é quem é o dono e quem está por trás disso e quem tentou contratar sem licitação. Estão querendo dispensa de licitação por uma empresa que foi oferecida ano passado para o governo do Estado – ler governo de José Melo – para auditar por mais de R$ 120 milhões, mesmo sem o resultado do êxito – isso significa que mesmo se o trabalho não desse resultado algum, a empresa receberia o valor do contrato.

Ainda de acordo com David Almeida a declaração de Amazonino sobre o Estado estar um caos não passa, na visão dele, de pretexto para contratar sem licitação.

E, em resposta às declarações do governador de inchaço na folha de pagamento, rebate David Almeida: “Vão reclamar dizendo que a folha de pagamento está cheia, é verdade, o governador sabe disso, mas ele foi eleito para resolver esses problemas e nós estávamos querendo resolver esses problemas com os servidores do Estado. Não quero tripudiar, responder ou atacar ninguém, mas quero deixar claro que o que está por trás dessa empresa para auditar as contas do Estado é uma dispensa de licitação”, ponderou o presidente.

Almeida ressaltou que deixou o Estado com 60% do 13º pago, e mais 25 milhões em caixa para terminar de pagar. “Pregaram o caos para dizer que o Estado está quebrado, falido. Eu estava ouvindo isso antes de assumir o Governo e não está assim. Tem muitos problemas que serão difíceis de se resolver, é verdade, mas não é tão ruim como dizem, porém, não se resolvem os problemas do Amazonas deitado na rede em casa e assistindo Netflix. Tem que sair para trabalhar, arregaçar as mangas e resolver os problemas”, disparou.