Governo do AM continua sem pagar data-base de 2022 para os profissionais da educação, denuncia Sinteam

O Sindicato entrou com uma ação na justiça pedindo o reajuste para a categoria

Na última segunda-feira (25), o Sindicato de Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) ingressou com uma Ação Civil Pública (ACP) contra o governo do Amazonas, solicitando o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Servidores da Secretaria de Estado e Educação e Qualidade do Ensino (SEDUC), além de solicitar o pagamento da data-base da categoria, que venceu no último dia 1º de março e ainda não foi paga. No processo, eles cobram o pagamento de 10,53% de reposição no período de março de 2021 a março de 2022, referente a reposição da inflação da época. O sindicato também busca uma audiência de conciliação com o Estado do Amazonas. De acordo com o Sinteam, cerca de 26 mil profissionais da educação estão sendo prejudicados com o não pagamento, que é previsto na lei nº 3.951/13.

Além dos professores ativos, os aposentados da Seduc também não foram contemplados. A presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues, relatou a luta pelo cumprimento da lei. “Fizemos centenas de pedidos de audiência com o governador para tratar da data-base. Infelizmente, não tivemos êxito. Esperamos que a justiça tenha sensibilidade com a categoria, principalmente, com nossos aposentados”, afirmou.

Após a entrada na justiça, Rodrigues deu mais detalhes sobre o que vem ocorrendo. “Ainda não há posicionamento por parte da justiça ou do governador sobre os pagamentos. Estamos fazendo todas as movimentações desde o início do ano, a ação foi nosso último recurso determinado pela categoria”, revelou ela. Vale ressaltar que no último 7 de março membros do Sinteam foram a sede do governo do Amazonas com bolo e refrigerante, além de balões e cartazes para “comemorar” os dois anos sem resposta sobre o pedido de audiência com o governador para discutirem sobre a data-base, progressões atrasadas, entre outras pautas da categoria.

Bolo para comemorar dois anos que o governador Wilson Lima não conversa com a categoria.

De acordo com o órgão, foram mais de cem ofícios enviados para Wilson Lima em busca de resposta, mas as reinvindicações do Sinteam ainda não foram respondidas. No dia da manifestação, eles distribuíram bolo enquanto esperavam um retorno do governo, que não ocorreu.

A ausência do governador, na época, foi comentada pela presidente. “Queríamos dar um pedaço de bolo ao governador, nosso principal convidado, mas ele não veio para a festa. Em 42 anos de sindicato, é a primeira vez que um governador não dialoga”, afirmou ela. A última reunião de Wilson Lima com o sindicato ocorreu em 2019, após uma greve de mais de 40 dias dos profissionais. “O governador chegou a ofertar um acordo, mas voltou atrás na decisão e não deu mais esclarecimentos ao Sinteam”, finaliza a presidente.