Governo do AM suspende ‘Operação Gratidão’ por risco de falta do “kit intubação”

Foto: Divulgação Secom

O Governo do Amazonas anunciou nessa quarta-feira (31) que suspendeu a ‘Operação Gratidão’ e não irá mais receber pacientes com Covid-19 de outros estados devido ao risco de ficar sem medicamentos do “Kit intubação”, composto por bloqueadores neuromusculares e sedativos.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) a medida foi tomada após avaliação do cenário epidemiológico da pandemia de Covid-19, considerando a escassez no mercado brasileiro.

“Hoje tá todo mundo em busca do kit intubação que são aqueles medicamentos usados para manter o paciente no leito de UTI, e no Brasil há uma dificuldade muito grande para a aquisição destes kits. Inclusive o Ministério da Saúde está fazendo compras internacionais com a ajuda da OPAs para que os estados possam ser abastecidos”, disse o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

Até essa quarta-feira o Estado já havia recebido 48 pacientes de Rondônia e Acre para tratamento contra a Covid em Manaus, desse total 18 receberam alta e cinco morreram.

Impedido de comprar 

Por meio de nota a SES-AM informou que, a escassez de medicamentos usados na intubação de pacientes com Covid-19 levou o Ministério da Saúde (MS) a fazer a requisição administrativa da indústria local. Com isso, toda a produção no Amazonas está sendo direcionada para o MS para fazer a distribuição entre os estados.

O Hospital Delphina Aziz, a maior unidade referência para Covid-19 no Estado, com 180 leitos, não está conseguindo fazer aquisições com seus fornecedores por conta da requisição do MS. Enquanto isso, o Instituto Nacional de Desenvolvimento Humano (INDSH), Organização Social que gerencia a unidade, busca novos meios de aquisição.

Afrouxamento nas medidas de isolamento social

Mesmo diante da escassez do Kit de Intubação e do risco de uma terceira onda, o governador Wilson Lima, anunciou novas medidas no decreto que restringe a circulação de pessoas no estado.

A partir desta segunda-feira (5), restaurantes, lanchonetes e bares que funcionam como restaurantes podem funcionar de 6h às 23h de segunda a sábado, com capacidade máxima de 50%. Além de autorizar as aulas presenciais para o ensino médio nos colégios militares.