Governo do Amazonas compra monitores multiparamétricos quase 50% mais caros, denuncia Wilker Barreto

imagem ilustrativa

O deputado Wilker Barreto (Podemos) alertou indícios de superfaturamento na compra 100 monitores multiparamétricos (equipamento que mede pressão arterial, batimentos cardíacos e outros sinais vitais) com valor acima de mercado, quase 50% a mais, adquiridos pelo Governo do Amazonas. Cada unidade custou o valor de R$ 42.880,00, totalizando R$4.288.000,00 milhões (Quatro milhões, duzentos e oitenta e oito mil reais), conforme o Pregão Eletrônico (PE) nº 829/20 promovido pelo governo.

Na tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas, o parlamentar apresentou um levantamento em que identificou o mesmo item com valores menores em comparação ao indicado na ata de registro de preço da Comissão de Serviço Compartilhado (CSC) nº0104/2021-1PE829/20. O Líder da Oposição apontou uma pesquisa em que indica o monitor mais barato ao valor de R$16 mil a unidade, e o mais caro R$25 mil.

“A justificativa do Governo em relação ao preço unitário, dentro do pregão, é o Amazonas, a particularidade da região, a logística. Mas como é que um produto que é encontrado a R$ 16 mil e R$25 mil, o governo Wilson Lima aponta R$42 mil a unidade?”, questionou o deputado, ao informar que irá acionar o Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) e o Ministério Público do Amazonas (MP-AM) quanto a licitação.

“Isso é um absurdo. Estou ingressando no TCE e MP, pois se a minha equipe conseguiu encontrar preços mais baratos, como é que a cotação do Governo do Amazonas não consegue economizar para seu contribuinte?… O dinheiro do contribuinte está indo pelo ralo. É o mesmo Governo que não paga a insalubridade e ticket alimentação da saúde”, afirmou Barreto.

Cópia do Processo

No dia 19 de abril deste ano, Wilker ingressou com um requerimento solicitando do presidente do Centro de Serviços Compartilhados (CSC), Walter Siqueira, a cópia do processo administrativo do extrato da Ata de Preços referente à compra dos equipamentos. Até o momento, o órgão não respondeu ao requerimento.

(*) Com informações da assessoria