Governo ganha R$ 1,6 milhão para combater a corrupção, mas delegacia ainda não existe

Imagem ilustrativa

Quando a gente pensa que já viu de tudo no atual governo do Amazonas, acontece algo que nos deixa ainda mais boquiabertos. No dia 13 de agosto foi criada, através do Projeto de Lei 337/2020 de autoria do Executivo, aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção no Amazonas (DECCOR).

O projeto foi votado em regime de urgência sob a justificativa dos governistas de que, se a criação da delegacia não fosse aprovada até esta data, o Amazonas perderia recursos da ordem de R$ 1,6 milhão provenientes do Fundo Nacional de Segurança Pública.

A urgência na criação da delegacia também foi o motivo alegado pela bancada do governo no Poder Legislativo e até por parlamentares que se autodenominam independentes para não discutir e votar propostas dos deputados de oposição, criando normas que resguardassem a independência das investigações feita pela DECCOR, como por exemplo, o delegado de combate a à corrupção ter um tempo determinado para se manter no cargo e o nome escolhido pelo governador para comandar a especializada passar por uma sabatina no Legislativo.

Mas se o governador Wilson Lima e os parlamentares aliados a ele correram para criar a delegacia de combate a corrupção e não perderem R$ 1,6 milhão de recursos federais, cadê a delegacia?

Em mais uma daquelas aparições públicas, em que mais parece estar novamente como apresentador de programa de TV, Wilson Lima, anunciou até mesmo o nome do delegado responsável pela especializada de combate a corrupção. Mas, pergunto de novo, cadê a delegacia?

E num governo onde o que não falta são denuncias de corrupção, o que faltava era ter uma investigação pra saber onde foi parar o dinheiro para a criação da delegacia de combate à corrupção. Será?