Governo tem obrigação de criar alternativa para atender a pacientes renais crônicos, diz deputado

Vicente-Lopes- 30

O governador José Melo (Pros) tem obrigação de criar alternativa para o atendimento a pacientes renais crônicos, uma vez que a Clínica Renal de Manaus já informou oficialmente não ter interesse na prorrogação e nem na renovação do contrato com o governo, a terminar no dia 18 de outubro deste ano. Do contrário, o caminho dos pacientes será o cemitério São João Batista ou Parque Tarumã, porque um paciente não continua vivendo se deixar de fazer a hemodiálise por uma semana. De janeiro a junho, 87 pacientes já morreram. A Clínica Renal atende cerca de 200 pacientes. Assim afirmou o deputado Vicente Lopes (PMDB), em discurso nesta quinta-feira 30 na Assembleia Legislativa. Ele também citou o caso dos cirurgiões-gerais do Hospital Francisca Mendes, tamb&ea cute;m sem interesse de continuar suas atividades, por falta de pagamento de salários.

De acordo com um ofício de 01 deste mês de junho, encaminhado ao secretário de Saúde Pedro Elias de Souza, a Clínica Renal Manaus, deixa claro a falta de interesse na prorrogação ou renovação do contrato 084/2010, com aditivo firmado em 2015. “Informamos ainda, da mesma forma, não haver interesse em celebrar novo contrato para atendimento aos pacientes renais crônicos. Embora o contrato supracitado continue em vigor até o dia 18 de 2016 e a manifestação sobre o não interesse na prorrogação deva ser feita com no mínimo 90 dias de antecedência, antecipamo-nos para esta (sic) Secretaria tenha tempo suficiente para implementar todas as medidas cabíveis, com antecedência, substituindo-nos para, assim, preservar o tratamento dos pacientes renais crônicos vincula dos ao SUS que, por ora, atendemos”.

O ofício, assinado por Carlos Sidney de Vasconcelos Lins, explica que a clínica continuará prestando o serviço contratado até 18 de outubro.  “Então esse é um apelo que eu faço ao governo, para que possa direcionar sua atenção para essa questão de saúde, que preocupa profundamente. O que poderá acontecer com a nossa cidade se os  ortopedistas, os pediatras e outros profissionais adotarem esse mesmo caminho dos cirurgiões gerais?  E tudo porque o governo não tem honrado com a sua responsabilidade, no pagamento desses trabalhadores da área da saúde. A Clínica Renal deu prazo de 90 dias ao governo. E informou tudo ao Conselho Regional de Medicina, ao Ministério Público Estadual e Federal, à Defensoria Pública. Ou seja, informou a todos os órgãos de  fiscalização e acompanhamento, para as providencias que estão sendo adotadas”, completou Vicente Lopes, em entrevista na sala de imprensa.