Grande Vitória: Depois de 10 anos vivendo na lama, não vai ter mais saco no pé e doente sem socorro porque ambulância atolou

Rua antes e depois

O nome “Grande Vitória” de um bairro no município de Coari tem tudo a ver com a história dos moradores que lá se instalaram há mais de dez anos. Gente foi presa e espancada – dizem que até morta – na luta por um pedaço de chão. Mas, após a vitória por ter um lugar onde morar, foi imposto o esquecimento por parte do poder público ao povo do Grande Vitória. Estima-se que cinco mil famílias vivam naquela comunidade, o que torna o Grande Vitória o maior bairro em densidade populacional do município de Coari.

Essas centenas de milhares de pessoas que residem no bairro passaram todos esses anos esperando que a Prefeitura de Coari lembrasse que elas existiam. “Essas obras significam dar dignidade a esses cidadãos de Coari”, avaliou o prefeito Raimundo Magalhães ao falar sobre os serviços de infraestrutura no Grande Vitória que começaram no dia 25 de novembro.

Ele lembrou que as crianças chegavam na escola com a roupa suja de lama, o que não era diferente com os adultos ao saírem de casa para o trabalho. “Para não ficar com as pernas cobertas de lama essas pessoas são obrigadas a viverem com sacos plásticos nos pés”, conta Magalhães. Mas isso, segundo Magalhães, não é ainda o mais sério na situação vivida pelos moradores do Grande Vitória.

“Na rua principal, é tanta lama e buraqueira que impede até passagem de qualquer veículo. Imagina o que é uma criança estar passando mal e a ambulância não conseguir descer a rua porque vai atolar?”, indaga Magalhães, acrescentando que a situação é ainda mais crítica quando se trata de um idoso que tem problemas com mobilidade. “No caso do idoso, têm que ser carregado em meio ao atoleiro”, conta Magalhães.

Segundo Magalhães isso que o fez, mesmo com as dificuldades de em tempos de poucos recursos fazer obras de infraestrutura, achar uma maneira de investir nesses serviços. “Nós não fazemos promessas. Nós trabalhamos. Nós assumimos compromissos e procuramos aproveitar os recursos disponíveis da melhor maneira possível para atender as necessidades da nossa população”, disse ele.

E ele garante que as obras de infraestrutura não ficarão apenas no Grande Vitória, se estendendo também para os bairros Liberdade, Ciganópolis e Nazaré Pinheiro, para atender a população dessas áreas da cidade, que vive praticamente ilhada, convivendo com muita poeira, buracos e lama, e há vários anos cobra, sem sucesso, ações do poder público.

Festa

Por isso, o início de trabalhos de infraestrutura no bairro Grande Vitória foi sinônimo de festa. Isso fica claro no depoimento da microempresária do ramo de confecções Cíntia Rodrigues, moradora da rua das Orquídeas, ao comemorar o início das obras e asfaltamento no bairro. “Essa é a realização de um sonho antigo de todos os moradores do bairro”, diz Cintia

“Nós estamos sofrendo e sonhando há anos, sempre enfrentando muita poeira, lama e doenças. Mas, agora, graças a Deus e ao trabalho do prefeito Magalhães a nossa situação vai melhorar”, comemora, revelando que está pensando em montar uma padaria e expandir os negócios.

O que essas obras representam fica claro no depoimento do agricultor José Santos Sobrinho, de 55 anos, morador da rua Alecrim, do Grande Vitória. “Essa obra está ótima, porque aqui ninguém tinha mais esperança e nem esperava mais uma solução. ‘Nós queria e pedia’ para ‘as autoridade tapar os buraco das ruas do nosso bairro’, mas ninguém ouvia ‘nossos pedido’ ”, declara Seu José com aquele jeito simples de falar, não importando os erros de gramática, porque expressam exatamente o que têm enfrentado os cidadãos do Grande Vitória.

A alegria do “seu” João, decorrente das melhorias já percebidas nas ruas do bairro, é compartilhada pelo mototaxista Marcos Sevalho Soares, de 35 anos, que mora na rua Alecrim há mais de cinco anos e já não acreditava ser possível resolver o problema.

“As ruas do nosso bairro eram muito esburacadas e quando chovia viravam um grande lamaçal, que impedia a passagem de pessoas e de motocicletas”, explica, lembrando que a poeira também prejudicava bastante a saúde das pessoas, principalmente das crianças e dos idosos.

Segundo ele, sem condições adequadas à circulação de veículos, as ruas do bairro também não permitiam a entrada de ônibus para pegar as crianças e levar para a escola.

Meta

De acordo com o secretário municipal de obras de Coari, Fernando Cunha, a meta é asfaltar todos os bairros, porque ele entende que esse tipo de obra proporciona mais saúde à população, pois acaba com a poeira e melhora a qualidade de vida às pessoas.

“Inicialmente vamos colocar asfalto em um quilômetro da via principal do bairro e preparar todas as ruas do bairro para, posteriormente, receber o asfalto”, explica Fernando, destacando que nessa etapa todas as ruas vão ser terraplanadas e compactadas e ficarão prontas para receber o asfaltamento.

Segundo ele, além de melhorar a qualidade das vias para a circulação de veículos, o pacote lançado pela prefeitura prevê, também, a realização de calçadas – para a circulação das pessoas com segurança -, meio-fio e sarjetas.

“Em paralelo vão ser realizados os serviços de instalação da rede de esgoto e de drenagem das águas fluviais”, explica.