Grupo Bringel recebeu R$ 35,7 milhões da Seduc por palestra sobre coleta de fezes

A Bringel Medical Distribuidora de Medicamentos Ltda – empresa do Grupo Bringel – que tem como proprietário Sérgio Roberto Melo Bringel, preso nessa quinta-feira (11), na Operação Cashback deflagrada pela Polícia Federal, recebeu R$ 35,7 milhões do Governo via Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para promover palestras educativas sobre coleta de fezes para os alunos da rede estadual de Ensino. (Veja o contrato no fim da matéria)

De acordo com a Polícia Federal, o Grupo Bringel faz parte de um esquema de corrupção responsável pelo desvio de, aproximadamente, R$ 140 milhões da Saúde, além da emissão de R$ 100 milhões em notas fiscais frias identificadas pela Receita Federal. A empresa, recebeu, em 12 anos, em um único contrato, mais de R$ 550 milhões do Governo, segundo dados da PF.

Segundo o Contrato nº 39/2017 assinado entre a Bringel Medical Distribuidora de Medicamentos Ltda e a Seduc, em 12 meses a empresa tinha que promover “palestras educativas para inserção do método de coleta seriado de fezes, com o auxílio de profissionais de saúde capacitados, tais como enfermeiros, farmacêuticos, biomédicos e médicos devidamente registrados, com a finalidade de identificação, diagnóstico, tratamento, prevenção, distribuição de medicação e levantamento de saneamento básico das regiões atendidas pela população assistida pelo projeto com fornecimento de material e mão de obra especializada para atender as necessidades das escolas estaduais no Amazonas”.

Os dados estão disponíveis no Portal da Transparência do Governo do Estado.

Em resumo: a empresa recebeu R$ 35,7 milhões para promover palestras educativas com auxílio de profissionais da Saúde sobre coleta de fezes com a distribuição de material (folders) para os estudantes da rede estadual de Ensino.

O que uma empresa de medicamentos faz promovendo palestras para estudantes da rede estadual de Ensino? Nesse cenário, o delegado federal Alexandre Teixeira tem razão ao afirmar que o que chamou a atenção ao longo das investigações da Operação Cashback foi o volume de pagamentos do Governo para a Bringel: 90% dos rendimentos da empresa eram fruto de contratos com o Governo do Amazonas. Entre eles, está um contrato com vigência de 12 anos no valor inicial de R$ 550 milhões.

No mesmo período, de março de 2017 a março de 2018, a Bringel Medical Distribuidora de Medicamentos Ltda, recebeu R$ 18,5 milhões da Seduc para procedimentos odontológicos em consultórios instalados e em unidades móveis para atendimentos dos alunos da rede estadual de Ensino.

Oficialmente (com os contratos divulgados no Portal da Transparência), a Bringel firmou oito contratos com o Governo que totalizam mais de R$ 62,4 milhões: dois com o Hospital e Pronto Socorro João Lúcio, dois com a Seduc, e um com os Hospitais e Pronto Socorros Adriano Jorge e 28 de Agosto, além da Fundação Centro de Controle de Oncologia (Fcecon).

Resposta da Seduc

“A Seduc informa que o contrato em questão não foi firmado na atual gestão. Em relação às empresas do Grupo Bringel, que prestam serviços ao Governo ainda relativos a contratos firmados em gestões passadas, todos foram revisados pela atual gestão. Na área da Saúde, houve redução de até 49% no valor de contratos vigentes com o Grupo, após processo de auditoria realizado logo que esta gestão assumiu”.

Veja o CNPJ da Medical Distribuidora de Medicamentos Ltda.

Veja os contratos da Bringel com o Governo do Amazonas.

Veja o contrato da Bringel com a Seduc

 

*Matéria atualizada em 13/10 às 11h30 para inclusão de nota da Seduc.