Grupo de 400 médicos deixa Manaus com destino a Cuba

Nessa quarta-feira (5), um grupo de 400 médicos cubanos que atendia a  região Norte volta para o País de origem. De acordo com informações do Consulado Geral de Cuba em Manaus, em contato feito pelo Radar via telefone, mais da metade dos médicos atendia em hospitais públicos de 60 municípios do Amazonas e também em sete Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei). Os profissionais devem embarcar do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes em direção a Havana em dois voos, sendo o primeiro às 15h25 e o último às 18h25.

“Este é o último grupo da região Norte em voos de uma companhia de aviação cubana e outros médicos cubanos devem sair ainda hoje de Brasília. Lamentamos a situação, mas isso não interfere no vínculo entre o Governo de Cuba e do Brasil”, declarou o cônsul-geral de Cuba, Turcios Miguel Esquivel Lopes.

Os médicos cubanos deixaram o Brasil após “declarações diretas, depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro à presença dos profissionais. O Governo Cubano anunciou a saída do Programa Mais Médicos, do Governo Federal, no último dia 14 de novembro.

A retirada dos  médicos afeta principalmente a população no interior do Amazonas e demais municípios no Norte que vivem situações precárias de saúde. Para suprir a demanda, o Ministério da Saúde abriu edital com intuito de selecionar e enviar profissionais brasileiros para os postos deixados pelos cubanos.

Segundo informações do Conselho de Secretários de Saúde Municipais do Amazonas (COSEMS-AM), apenas 57% das vagas que eram de médicos cubanos tinham sido repostas no Estado até o dia 28 do mês passado. Das 322 vagas, 139 ainda estão em aberto.

Ato solidário

Um ato de solidariedade e agradecimento a eles foi realizado nessa terça (4) no Hotel Tropical, localizado na Zona Oeste. O evento contou com presença do Consulado de Cuba em Manaus e do deputado José Ricardo (PT) que falou em defesa da classe e em agradecimento em nome do povo amazonense.

Representantes da comunidade científica do Estado também estiveram lá além de movimentos sociais de mulheres, negros e juventude. Turcios Lopes, acredita que o intercâmbio feito entre amazônidas e os cubanos foi muito além da esfera profissional. “Foi muito bonito, brasileiros agradecendo a entrega dos cubanos, que agradeceram o amor que receberam deste povo mostrando uma grata recordação” disse.