Há 16 dias com média de mortes acima de mil, Brasil supera 230 mil óbitos

Imagem: Carlos Madeiro/UOL

Na noite dessa sexta-feira (5), o Brasil superou o marco das 230 mil mortes provocadas pela covid-19. Pelo 16º dia consecutivo, o país apresentou uma média móvel de mortes por covid-19 superior a mil: foram 1.050 vítimas segundo a média calculada nos últimos sete dias.

Além disso, mais de 3,3 milhões de pessoas já foram vacinadas contra a doença. No total, 3.364.744 pessoas já foram imunizadas, segundo informações fornecidas pelas secretarias de saúde.

O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, baseado nos dados das secretarias estaduais de saúde. Os estados de Roraima e Rio Grande do Norte não enviaram dados atualizados até o fechamento do boletim, às 20h.

Nas últimas 24 horas, foram computados 1.244 novos óbitos causados pela doença, elevando o total de vítimas para 230.127 desde o início da pandemia. Isso não indica quando as mortes de fato ocorreram, mas, sim, a data em que passaram a constar dos balanços oficiais.

Média de mortes continua acima de mil por dia 

Este é o segundo período mais longo em toda a pandemia no qual o Brasil registra média móvel acima de mil mortes por covid-19 nos sete dias anteriores. A maior sequência ocorreu entre 3 de julho e 2 de agosto (31 dias). Neste intervalo, houve o recorde de 1.097 óbitos em média, verificado em 25 de julho.

Em 29 e 30 de janeiro, o Brasil apresentou as maiores médias de mortes por covid-19 dos últimos seis meses: 1.068 e 1.071, respectivamente.

A variação na comparação com 14 dias atrás foi de 3%, o que representa estabilidade, ainda que em números muito altos. Dois estados não divulgaram o balanço até o fechamento deste texto: Rio Grande do Norte e Roraima.

Todas as regiões apresentaram queda: Centro-Oeste (-17%), Nordeste (-20%), Norte (-20%), Sudeste (-23%) e Sul (-26%) apresentaram queda.

Dos estados, 11 tiveram estabilidade. Oito e mais o Distrito Federal apresentaram aceleração e sete tiveram queda.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, referência mundial em estudos sobre a covid-19, o Brasil é o segundo país com o maior número de mortes causadas pela doença. Os Estados Unidos aparecem em primeiro (457.755 óbitos), em números divulgados pela instituição nesta tarde.

De ontem para hoje, houve 51.319 diagnósticos positivos para o novo coronavírus. Desde o começo da pandemia, o número de infectados totaliza 9.449.088.

Especialistas indicam cálculo de média móvel 

Para medir a situação das mortes por causa da covid-19, especialistas indicam usar a média móvel dos óbitos, que calcula a média de registros observada nos últimos sete dias. A operação é a mais adequada para observar a tendência das estatísticas, por equilibrar as variações abruptas dos números ao longo da semana.

O consórcio de veículos de imprensa adotou esse período para verificar as oscilações na média móvel. É possível falar em queda nos números quando a diminuição é maior do que 15% se verificado nos últimos 14 dias —no caso, o período das duas últimas semanas. Caso os números aumentem mais do que 15%, há aceleração da epidemia. Valores intermediários indicam estabilidade.