Hackers invadem site da Prefeitura de Manaus e chamam Artur Neto de “safado” no Google

Mensagem Site Prefeitura

Um dos repórteres do Radar que estava em busca de uma informação para fazer uma matéria tentou acessar o site da Prefeitura de Manaus, através do Google, neste domingo (03), e qual não foi sua surpresa quando deu de cara com a seguinte mensagem: “Feliz 2016, Prefeito Safado!!! Nós temos os dados reais dos crimes cometidos em cada área da cidade e Manaus. Temos os dados que vcs (vocês) omitem do povo, que vcs escondem da…” – a mensagem não aparece na íntegra.

Junto com a mensagem, está o endereço eletrônico da Prefeitura de Manaus, mas não adianta clicar nele porque o site da Prefeitura está fora do ar. A suspeita imediata é de que o site da Prefeitura de Manaus teria sido atacado por hackers. Através de colegas jornalista, a suspeita é confirmada: o site foi atacado, mas não foram os hackers que tiraram o site do ar, mas sim a própria área técnica da Prefeitura de Manaus porque ele estava repleto de ataques ao prefeito Artur Neto (PSDB) e ao Governador professor José Melo (PROS).

Os hackers colocaram bem na cara do site da Prefeitura de Manaus downloads de vídeos e arquivos com o que diziam ser os números reais da violência no Estado, incluído neles as estatísticas de homicídios, latrocínios, roubos e furtos, com dados estatísticos bem acima daqueles apontados pelos órgãos oficiais do Governo.

Nos textos postados no site da Prefeitura, os hackers acusavam o prefeito e o governador de enganarem o povo e chamavam o governador de “boneco fantoche, que coloca o próprio irmão para exercer cargo de confiança, que mesmo com tantas provas de corrupção deve estar nesse momento brindando o Ano Novo com a Nair Blair, em algum lugar”, diz o texto.

Os hackers também postaram matéria sobre o fato do Tribunal de Contas do estado (TCE) ter aprovado as contas da Prefeitura de Manaus apenas com a promessa, por parte da administração municipal de que haverá mais transparência em 2016. E apontam um ganho de “salário do secretário de Estado da Cultura, Robério Braga, de R$ 32 mil, sem dar expediente na UEA”.

A Prefeitura de Manaus tirou o site do ar e disse que vai acionar a polícia para identificar e punir os responsáveis. (Any Margareth)