Harry vai a campo de minas visitado pela mãe há 22 anos

O príncipe britânico Harry esteve hoje em um antigo campo de minas terrestres no Huambo, Angola, visitado há 22 anos pela mãe, princesa Diana, na etapa “mais significativa e comovente” da sua viagem de 10 dias pela África Austral.

O representante da família real britânica chegou a Angola ontem, no final, depois de ter estado na Cidade do Cabo, na África do Sul e no Botsuana. Hoje ele viajou para o Huambo, no planalto central de Angola, onde conheceu um campo de desminagem da organização britânica Halo Trust.

Esta não é a primeira vez que o príncipe Harry visita Angola.

Em 2013 ele esteve no país e se mostrou “irritado” com alguns países que falharam nas operações de desminagem na África e que foram promovidas pela sua mãe.

Harry, o quarto na linha de sucessão ao trono britânico, visitou em 2013 zonas minadas em Angola tendo-se deslocado ao Cuito Cuanavale, no sul do país, apontada como a região com o maior número de minas em todo o continente africano.

Esta etapa do seu percurso de dez dias pela África é, segundo um comunicado da casa real britânica, a mais “significativa e comovente” para o príncipe, cujo título oficial é Duque de Sussex.

Harry esteve no Huambo, uma zona antes ameaçada por minas terrestres, cuja campanha para limpeza a princesa Diana ajudou ao se deixar fotografar em 1997, atraindo atenção mundial para o problema.

Atualmente, alguns destes campos têm escolas, lojas e casas, resultado das operações de desminagem da Halo Trust e de outras organizações, financiadas parcialmente pelo Governo britânico.

Durante a visita, o príncipe Harry conheceu algumas das pessoas que estiveram com a sua mãe na ocasião, entre elas a atual governadora da província, Joana Lina, e fará um discurso.

Acompanhado por vários integrantes do executivo angolano, entre os quais as ministras de Estado, Carolina Cerqueira, e da Ação Social, Faustina Alves, Harry vai também visitar o Centro Ortopédico do Huambo, que vai passar a se chamar Princesa Diana. Depois desses compromisso ele segue para Luanda, capital de Angola.

No sábado, o príncipe Harry será recebido pelo Presidente angolano, João Lourenço, no palácio da Cidade Alta, e depois deverá visitar a maternidade do Hospital Lucrécia Paim para conhecer a campanha “Nascer Livre para Brilhar”, que visa reduzir a transmissão do HIV de mãe para filhos.

A visita do Príncipe Harry a Angola acontece no quarto dia do itinerário de dez dias, que começou na segunda-feira na Cidade do Cabo, África do Sul, onde chegou acompanhado pela mulher, Meghan Markle, e pelo filho, Archie Harrison, e de onde seguiu na quarta-feira para o Botsuana, sozinho.

Depois de visitar Angola, Harry vai passar ainda três dias no Maláui, antes de regressar à África do Sul, onde, em conjunto com Meghan Markle, vai se encontrar com a antiga primeira dama Graça Machel, concluindo a visita com uma audiência com o presidente, Cyril Ramaphosa.

Segundo o Palácio de Buckingham, “o amor do Duque de Sussex pela África é bem conhecido; ele visitou o continente pela primeira vez aos 13 anos e, mais de duas décadas depois, as pessoas, cultura e vida selvagem das comunidades continuam a inspirá-lo e motivá-lo”.

O desejo da princesa Diana de banir as minas foi cumprido no final de 1997, já depois da sua morte, com a assinatura da Convenção sobre a Proibição do Uso, Armazenamento, Produção e Transferência de Minas Antipessoais, conhecida como Convenção de Ottawa, de que são signatários 157 países, entre os quais Angola.

Estima-se que existam cerca de 60 mil angolanos que ficaram mutilados devido a explosões de minas de guerra, das quais cerca de 40% são mulheres.