Homem é preso por vender brownie’s de maconha nas redes sociais

Leandro Queiroz Mendonça,  de 28 anos,  foi preso em flagrante acusado de envolvimento com o tráfico de drogas. A prisão ocorreu na tarde dessa sexta-feira (9), no bairro Praça 14 de Janeiro, zona Sul de Manaus, durante a operação ‘Space Gold’. A ação contou com o apoio do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera ) e a Receita Federal.

De acordo com o diretor do Departamento de Investigação Sobre Narcóticos (Denarc), delegado Paulo Mavignier, Leandro foi detido em flagrante na posse de 100 brownie’s de chocolates alucinógenos, que continham maconha Skunk dentro.  Cada bolinho era vendido por R$ 30 ou R$ 50. Segundo a polícia, o infrator usava as redes sociais para vender as drogas.

“Esse cidadão vendia brownie com maconha por meio de redes sociais e venda boca a boca, também vendia outros tipos de entorpecentes. Mas o que é grave é a venda do bolinho para adolescentes. Ele tinha clientes adultos, mas o público mesmo era adolescentes. Ele fazia entrega a delivery”, disse.

O delegado explicou, que as diligências começou há um mês, quando a equipe recebeu uma denúncia de que o homem estaria comercializando, por meio de uma rede social, os brownie’s de maconha, conhecidos como ‘Space Gold’.

“Ele cozinhava a maconha em banho maria, para ativar o princípio ativo do THC, o tetra-hidrocanabinol, e conseguir fazer com que a pessoa que comesse o bolinho tivesse o efeito psicoativo. O grande risco do bolinho é porque a maconha quando é fumada, o efeito é imediato e o bolinho demora a sentir e demora também a sair. A pessoa quando come acha que não tinha maconha ou não  tinha quantidade suficiente, acaba comendo mais do que deveria, com isso o efeito é muito maior, passa mal, causa transtornos psiquiátrico, depressão, transtornos de comportamento. Por isso os pais precisam ficar atento aos filhos”, relatou.

Segundo o diretor do Denarc, o suspeito foi surpreendido pela equipe policial no momento em que saia de casa para fazer a entrega dos bolinhos.  Na ocasião, foi feitos buscas no imóvel, com auxílio do cão farejador Odim, da Receita Federal, onde mais produtos ilícitos foram encontrados, acondicionados dentro de uma geladeira.

“O que chamou a atenção é grande quantidade de contato telefônico de jovens com quem ele tinha contato para fazer as entregas. Os pais dele foram questionados se sabiam do que ele fazia, mas negaram. A casa tinha um cheiro muito forte de maconha. Também chamou atenção o fato dele ter um esquema bem organizado, onde ele tinha cartão fidelidade, onde a cada dez bolinho a pessoa ganhava mais um, ele dava brindes e amostra grátis”, finalizou.

Leandro foi autuado pelo crime de tráfico de drogas. Após os procedimentos cabíveis no Denarc, ele será encaminhado para audiência de custódia e ficará a disposição da Justiça.

(*) Com informações da assessoria da PC-AM