Homem morre com tiro no peito em ação policial de dispersão na região da Cracolândia

Tumulto na Av. Rio Branco na noite desta quinta, 12 de maio — Foto: TV Globo

Um morador em situação de rua morreu com um tiro do tórax por volta das 21h da noite desta quinta-feira (12) na Avenida Rio Branco, no Centro de São Paulo.

A confusão aconteceu durante uma operação policial de dispersão na via, e ainda não se sabe de onde partiu o tiro. Segundo a polícia, ele foi baleado durante um “tumulto”, mas a corporação não deu detalhes do que ocorreu.

Imagens de moradores de prédios região mostram um grupo de pessoas pela avenida, pessoas armadas, e em seguida barulhos de tiros.

Raimundo Nonato Rodrigues Fonseca Júnior, de 32 anos, morava em albergues da região. Ele chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para a Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos.

Ainda não há informações se Raimundo fazia parte do fluxo da Cracolândia na Praça Princesa Isabel, que foi dispersado na última quarta-feira (11). Ele tinha passagens policiais por roubo e tráfico de drogas.

A ocorrência foi registrada como homicídio no 2º Distrito Policial (Bom Retiro) e encaminhado para 77º DP (Santa Cecília), responsável pela área, onde o caso será investigado. A Polícia Civil informou que as imagens estão sendo analisadas.

Procuradas, a Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública ainda não se manifestaram sobre o caso.

Usuários da Cracolândia dispersos

Após a operação que envolveu 650 oficiais e retirou os dependentes químicos da Cracolândia da Praça Princesa Isabel, a quinta-feira (12) foi marcada por deslocamentos e busca por novos pontos para se fixar nas ruas do Centro, principalmente próximo à Praça Marechal Deodoro.

Divididos em grupos, antigos moradores da Praça Princesa Isabel estão circulando pelos seguintes pontos: Rua Helvétia, Alameda Barão de Piracicaba, Alameda Glete, Rua Mauá, Rua Barão de Limeira, Rua Barão de Campinas e Rua Conselheiro Nébias.

A movimentação dos usuários levou medo aos comerciantes da região, e alguns trabalharam com portas entreabertas nesta quinta (12). Viaturas da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana circulavam pela região, assim como agentes de saúde.

Esta foi a segunda mudança de endereço da Cracolândia em pouco mais de um mês.