Homenagem ao curso de Medicina da UFAM: Primeira turma de médicos recebeu diploma no Teatro Amazonas

homenagem faculdade de medicina 2

“O primeiro vestibular para o curso de medicina do Amazonas aconteceu em 1965 e a formatura da primeira turma foi em 1971, numa sessão solene no Teatro Amazonas, com a presença das maiores autoridades daquela época, tal a importância que o curso tinha para a cidade,  naquele tempo”. Assim contou o professor doutor Dirceu Benedicto Ferreira, diretor da Faculdade de Medicina da Ufam (Universidade Federal do Amazonas), durante sessão de homenagem ao Jubileu do curso, por solicitação do médico e deputado Vicente Lopes (PMDB), nesta quarta-feira 2, na Assembleia Legislativa do Amazonas.

Como parte da homenagem aos 50 anos da Faculdade de Medicina da Ufam, houve a entrega da Medalha Ruy Araújo, a mais importante comenda do Legislativo estadual. Esteve presente a cerimônia a reitora da Ufam, Márcia Perales, assim como a participação de outras autoridades, além de profissionais da área. No seu discurso, Vicente Lopes fez uma retrospectiva do primeiro curso de medicina do Amazonas, as dificuldades iniciais, como falta de material. Para ilustrar, o deputado citou as aulas de anatomia. “Como não havia cadáveres e nem ossos disponíveis, iniciou-se uma caçada aos restos mortais nos cemitérios, o que provocaria grande escândalo na imprensa local”, lembrou.

Aqueles tempos de 1971 eram de grande transformação em Manaus e de acontecimentos políticos como o regime militar instalado no país. A capital, de acordo com Dirceu Benedicto Ferreira,  deveria ter uns 300 mil habitantes e 80 médicos, vivia-se a expansão da cidade, a implantação da Zona Franca de Manaus. Metade dos alunos de medicina eram do Amazonas e a outra metade vinha de outros Estados, os chamados excedentes. De lá para cá, o antigo curso de medicina já diplomou exatos 3.888 médicos, segundo o diretor.

GRUPO ESCOLAR

O primeiro curso de medicina do Amazonas era no Grupo Escolar Plácido Serrano, sob a direção do Dr. Mário de Moraes. Em seu discurso, Vicente Lopes disse que, em 4 de dezembro de 1965,  o ministro militar Jarbas Passarinho repassou ao magnífico reitor Jauary Marinho e ao presidente da FUA (Fundação da Universidade do Amazonas),  desembargador João Machado, os recursos necessários à inauguração e funcionamento da faculdade”. As atividades começaram no dia 11 de maio de 1966.

Vicente Lopes fez questão de nominar os médicos  que exerceram os cargos de deputado estadual:  Antar Albuquerque, Arnoldo Andrade, Risonildo Almeida, Francisco  Campos, Luiz Fernando Nicolau, Miguel Carrate e Wilson Lisboa.  E antes disso, Gama e Silva, Danilo Corrêa e Jorge Abrahim.

Além da reitora Márcia Perales, a cerimônia teve a presença do professor doutor  Hedinaldo Narciso Lima,  vice-reitor da Ufam. Igualmente participaram Eduardo Calviello Meira Ramos, representando o vice-almirante Wagner Lopes de Morais Zamith, comandante  do 9º distrito Naval; major médico Carlos Eduardo Vale Barros, representando o major-brigadeiro-do- ar  Antonio José Mendonça de Toledo Lobato, comandante do sétimo comando regional – VII Comar; José Wilson Cavalcante, professor e ex-diretor da Faculdade de Medicina da Ufam,  representando todos os ex-diretores;

Camila Beatriz Nobre Rodrigues, vice-presidente do Centro Acadêmico de Medicina da Ufam; Dra  Patrícia Sicchar, secretária- geral, representando o sindicato do médicos; doutor Raul Ferreira, superintendente em exercício, representando o Hospital Universitário Getulio Vargas (HUGV).