Hospital Francisca Mendes, único a fazer exames de hemodinâmica, está com equipamento quebrado; cirurgias suspensas

Francisca Mendes e Doc 2

Depois não vai dar para o governador acusar os servidores da Saúde de “sabotagem”, já que a direção do Hospital Universitário Francisca Mendes está informando a Susam do que está acontecendo. É que se agravou de vez a situação do atendimento a pacientes que estão com problemas de saúde de alta complexidade, como por exemplo, as doenças cardíacas. Em um ofício, ao qual o Radar teve acesso, o diretor do Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM), Ivan Tramujas da Costa e Silva, datado de dois dias atrás (02 de fevereiro de 2016), avisa a Secretaria de Saúde do Estado (Susam) – ler coordenadora estadual de Regulação, Maria Artemiza Barbosa – sobre “a inoperabilidade do equipamento de hemodinâmica” – palavra complicada pra dizer que o equipamento quebrou.

A direção do hospital diz ainda que não foi dado “prazo de resolução” para que o equipamento volte a funcionar e, por conta disse, “o hospital só procederá a admissões hospitalares de pacientes com indicação cirúrgica estabelecida por exame arteriográfico (cateterismo cardíaco) realizado em outra instituição”. E finaliza: “assim que as condições do equipamento de hemodinâmica do HUFM retornarem à normalidade, o Complexo Regulador será notificado e a dinâmica de internação do hospital será restaurada”.

Problema crônico

O presidente do Sindicato dos Médicos, Mario Viana, disse ter conhecimento do que está acontecendo e que a situação é muito preocupante. “Parece que tinha dois equipamentos funcionando pra atender toda a cidade de Manaus, todo o Estado. Porque você sabe que tem um problema crônico nessa área de hemodinâmica, que faz exames de arteriografia, cateterismo cardíaco, arteriografia cerebral, aneurisma cerebral, arteriografias de membros inferiores, para diagnosticar trombose, e vários outros exames importantes porque a vida das pessoas depende deles”, explicou o médico.

Mario Viana disse ainda que o problema se torna ainda mais grave porque “o Hospital Francisca Mendes é referência em cirurgia cardíaca, mas acaba tendo que atender pacientes que precisam desse tipo de exame de hemodinâmica, de outras áreas, de outros hospitais. E com isso já havia uma sobrecarga, e agora, com um equipamento quebrado a situação se torna crítica”. (Any Margareth)

Doc UFAM