Ibama tem 48h para explicar ao MPF a retirada de brigadistas que atuavam no combate aos incêndios na Amazônia

Foto: Reprodução internet

Após a repercussão da notícia sobre a retirada dos brigadistas que atuavam no combate de incêndios na Amazônia e no Pantanal por falta de recurso, a Força-Tarefa Amazônia do Ministério Público Federal (MPF) determinou na tarde dessa quinta-feira (22), um prazo de 48h ao presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para justificar o motivo da retirada dos brigadistas.

No documento, o MPF questiona ainda, caso a motivação para a retirada dos brigadistas seja orçamentária, quais medidas para conter o avanço das queimadas serão adotadas, e em qual prazo, a fim de que sejam retomadas as ações de combate ao fogo, em especial na Amazônia, e qual a previsão para restabelecimento integral de tais ações.

A solicitação de informações é uma atuação da Força-Tarefa Amazônia do MPF e ocorre como parte do Inquérito Civil 1.13.000.001722/2019-96, instaurado para apurar a adequação das políticas públicas estaduais e federais de combate ao desmatamento e queimadas associadas no estado do Amazonas.

(*) Com informações da assessoria do MPF