Idosos jogados em macas pelo chão dividem espaço com morto em isolamento pra Covid-19 no João Lúcio (ver vídeo)

O Radar Amazônico recebeu uma denúncia através de um vídeo em que mostra os pacientes do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na zona Leste de Manaus, dividindo o mesmo espaço com um morto em uma sala de isolamento da Covid-19 (Ver vídeo no final da matéria).

O vídeo foi gravado nessa sexta-feira (18), por uma mulher que acompanhava seu pai na unidade hospitalar e ficou revoltada com a situação “ Olha o absurdo de onde colocaram o meu pai aqui no João Lúcio! E ainda tem um morto aqui desde a madrugada”, disse a acompanhante.

Nas imagens é possível ver três idosos em uma sala pequena, dois deles estão em macas no chão. O corpo do idoso, de 78 anos, está em um saco,  com  uma ficha de identificação dizendo que o paciente deu entrada no hospital às 22h43 do dia 16 de dezembro e que o cadáver apresenta “risco de infecções”.

No vídeo a denunciante explica que o corpo que estava desde a madrugada, ainda permanecia  na sala de isolamento às 11h da manhã.

A reportagem do Radar foi até o Hospital João Lúcio na manhã deste sábado (18), para buscar explicações, mas chegando lá, a equipe foi surpreendida com mais denúncias.

Uma mulher que preferiu não se identificar, disse que sua mãe está entubada e não tem covid-19, mas na sala à frente foi aberta uma Sala Rosa – destinada ao isolamento de pacientes com Covid-19-.

“Hoje ao chegar para minha surpresa, as cadeiras que ficavam em frente à sala da UTI não estavam mais lá, então eu fui questionar e me disseram que agora a sala da frente é a sala da Covid. Meu Deus do céu! Como pode uma sala de observação ficar em frente a sala da Covid, onde pessoas que fizeram cirurgia estão em tratamentos”, disse.

A reportagem tentou falar com alguém da direção do hospital para pedir esclarecimentos a respeito das denúncias, porém foi informada de que não havia nenhum diretor na unidade que pudesse responder pelo fato de ser fim de semana e que somente na segunda-feira alguém da unidade poderia se pronunciar.

 

Pico da pandemia 

Em maio de 2020 o hospital João Lúcio protagonizou uma cena semelhante que rodou o mundo, onde mostrava uma ala de tratamento para Covid-19 cheia de corpos no mesmo espaço com outros pacientes, o que contribuiu para a disseminação do vírus na capital.

De acordo com o último boletim da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM)divulgado nesta sexta-feira (18), foram confirmados mais 1.156 novos casos de covid-19 e mais 13 mortes pela doença. O Amazonas contabiliza agora 5.062 vítimas da Covid-19.

O Radar entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), que por meio de nota informou que lamenta o ocorrido e vai apurar a situação para determinar as responsabilidades pelo ocorrido.

Confira a nota na íntegra 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) lamenta o ocorrido no Hospital e Pronto-socorro João Lúcio e informa que, por determinação do secretário de Estado de Saúde, Marcellus Campêlo, a Secretaria Executiva de Controle Interno da SES-AM vai apurar a situação para determinar as responsabilidades pelo ocorrido.

A direção da unidade esclarece que o caso foi uma situação pontual e que os pacientes que aparecem nas imagens aguardavam remoção para a unidade de referência em atendimento à Covid-19 em uma sala separada dos demais usuários do hospital, para evitar riscos de contaminação. No mesmo dia os pacientes foram transferidos para uma outra enfermaria.

Um dos pacientes chegou em estado gravíssimo e foi a óbito logo após dar entrada na unidade. O corpo não pode ser levado imediatamente ao necrotério devido ao risco de contaminação biológica e ficou no isolamento o tempo suficiente para prepararem o local de forma adequada para o acondicionamento de pacientes em óbito por Covid-19.

Como parte do Plano de Contingência da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), o Hospital e pronto-socorro João Lúcio ativou uma Sala Rosa e está reorganizando seus fluxos de atendimento para o recebimento de pacientes com suspeita de SRAG que procurarem a unidade.

Os profissionais e demais trabalhadores que atuam nos plantões estão recebendo treinamento e orientação de maneira que o fluxo seja plenamente e utilizado com menos riscos de contaminação na unidade.

Neste sábado (19/12) a SES-AM colocou em funcionamento mais dez leitos de UTI no Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento de pacientes com Covid-19. Na noite de sexta-feira (18/12) outros dez leitos já haviam sido colocados em atividade. A unidade conta, agora, com 140 leitos e, até às 10h estava com uma taxa de ocupação de 82%.

A SES-AM reforça que, em casos de sintomas leves, a população procure as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e os Serviços de Pronto Atendimento (SPAs) e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e em caso de sintomas mais graves, se dirijam aos pronto-socorros.