Indiciado na Operação Maus Caminhos, Grupo Bringel vai receber R$ 12 milhões no governo de Wilson Lima

Olhando o contrato milionário – R$ 10,8 milhões – no Diário Oficial do Estado (DOM) – com uma empresa de nome Norte Ambiental Tratamento de Resíduos Sólidos Ltda, dá até pra pensar que nada tem a ver com o grupo Bringel, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) e Controladoria Geral da União (CGU), na Operação Maus Caminhos, como parte do esquema de desvios de recursos da saúde pública. Ledo engano! É só ir no site da Receita Federal pra se descobrir que Grupo Bringel e Norte Ambiental são dos mesmos donos: Sebastião Ramiro Bulcão Bringel e Sérgio Roberto Melo Bringel. Esse é um aditivo (ver aditivo no final da matéria), feito no Governo de Wilson Lima, para um contrato firmado em 2014 (ver contrato no final da matéria), exatamente durante o governo de José Melo, que chegou a ser preso e também é parte no processo da Manaus Caminhos.

Mas os contratos do Grupo Bringel com o governo de Wilson Lima não param nos dez milhões de reais. A Bringel vai continuar com contratos, no valor de R$ 2 milhões, em hospitais, mesmo a Polícia Federal declarando publicamente que “o Grupo Bringel, que é um dos maiores fornecedores de serviços hospitalares ao Estado, faz parte de um esquema de corrupção responsável pelo desvio de, aproximadamente, R$ 140 milhões da Saúde, além da emissão de R$ 100 milhões em notas fiscais frias identificadas pela Receita Federal. A empresa recebeu, segundo a PF, em 12 anos, em um único contrato, mais de R$ 550 milhões do Governo do Amazonas”. Sérgio Bringel foi preso em outubro do ano passado, na Operação Cashback, um desdobramento da Operação Maus Caminhos.

Wilson faz no “governo do novo”, o mesmo que fazia o governo que ele e sua trupe denominava de “velho”. Como o Radar denunciou, o mesmo Grupo Bringel recebeu o montante de R$ 35,7 milhões do governo de Amazonino Mendes para promover palestras sobre coleta de fezes para os alunos da rede estadual de Ensino.

Contratos da Bringel

Segundo o extrato de contrato n°029/2019 entre a Norte Ambiental e a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), a empresa vai continuar, por mais 12 meses, a prestar o serviço de gestão de resíduos ao órgão, mesmo com várias denúncias de que não estaria recolhendo o lixo hospitalar. Para fazer um trabalho que dizem que não é feito, a Bringel vai receber o valor total de R$ 10,8 milhões dos cofres públicos, por meio de mais um aditivo.

Já a Bringel Medical possui um contrato no valor de R$ 509,7 mil firmado com o Governo via Hospital e Pronto Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, na zona Leste de Manaus. De acordo com a publicação, o montante que será pago a empresa trata-se do primeiro aditivo ao contrato de n°009/2018, que tem como objeto a “aquisição de materiais de consumo para atender aos procedimentos traumato-ortopédicos de média e alta complexidade (órtese, próteses e materiais especiais- OPME)”. (Veja documento no final da matéria)

Em outro contrato, a Bringel vai receber R$ 731 mil para atender a Fundação Hospitalar Adriano Jorge (FHAJ), na zona Sul da capital. Segundo o contrato n°004/2019, a empresa vai fornecer “material de órteses e próteses para procedimentos ortopédicos, com conjunto de instrumentos em regime de comodato e profissional instrumentador”. (Veja documento no final da matéria)

Somados todos os contratos, o valor chega a R$ 12 milhões a pagar para um grupo empresarial que é de conhecimento público ter dado apoio à candidatura de Wilson Lima.

Veja contrato 006/2014 na íntegra

Veja aditivo de contrato com a Norte Ambiental na íntegra

Veja contratos com a Bringel na íntegra

Veja CNPJ da Norte Ambiental na íntegra

Veja CNPJ da Bringel na íntegra