Indígena que estuprou e assassinou criança em Parintins é encontrado morto na cadeia (ver vídeo)

Foto: reprodução

Após ser preso por confessar ter matado e estuprado a pequena Wemelly Santos da Silveira, de apenas cinco anos, na comunidade Bethel, na região da Serra da Valéria, zona rural de Parintins (a 369 km de Manaus), o indígena Edno Michiles da Silva, de 20 anos, da etnia Sateré-Mawé, foi encontrado morto na cela da Unidade Prisional do município na manhã desta sexta-feira (18).

Edno foi preso em flagrante na tarde da última segunda-feira (14) após confessar o crime. A tia da criança viu o suspeito momentos antes de Wemelly desaparecer. Ele foi enquadrado pela família da vítima que o afrontou até ele confessar.

Com muito frieza, Edno disse que estava bêbado quando avistou e atraiu a criança com o celular. Levou-a para a margem do rio, onde a abusou sexualmente. A menina morreu afogada porque ele a amarrou com as roupas dela embaixo d’água para que não boiasse. Após contar o que fez, populares agrediram o indígena fisicamente até a chegada da polícia militar.

O corpo  da criança foi encontrado somente no dia seguinte, terça-feira (15) e conduzido pelo Corpo de Bombeiros ao IML onde foi constatado o estupro. Na quarta-feira (16) Wemelly foi seputada, familiares e amigos protestaram durante o cortejo. Eles gritavam por justiça pela pequena.

Foto: reprodução

Edno Michiles estava respondendo por estupro de vulnerável e homicídio duplamente qualificado. A causa da morte ainda é incerta, pois na última quinta-feira (17), o suspeito foi levado para uma unidade hospitalar, pois se queixava de dores pelo corpo. E pela manhã desta sexta-feira (18) foi encontrado sem vida pelos guardas da unidade prisional.

Em nota a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que irá apurar as circunstâncias da morte do interno. E que a direção da Unidade Prisional de Parintins informa que todas as providências legais já estão em andamento através da Polícia Civil que instaurou um inquérito para apurar o caso.

Vídeo da remoção do corpo do indígena.