Indígenas do Amazonas testam projeto piloto de Telemedicina

Foto: Reprodução

Um projeto de atendimento médico por videoconferência em aldeias com acesso à internet ,no Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Alto Rio Negro está em fase de testes pelos Ministérios da Saúde e da Defesa. A ação começou na última segunda-feira(27) a 2 de agosto, com o objetivo de diminuir o tempo de espera de consultas, possibilitando o acesso rápido às diversas especialidades de saúde.

A iniciativa é coordenada pelo Hospital das Forças Armadas (HFA), de Brasília (DF), em parceria com o Hospital Israelita Albert Einsten, de São Paulo (SP). Médicos das duas instituições atenderão, à distância, pacientes indígenas que necessitam de atendimento especializado de psiquiatria, reumatologia, cardiologia, ortopedia, neurologia pediátrica, cirurgia geral, urologia, neurologia e pneumologia.

O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), leva atendimento básico de saúde a mais de 28 mil indígenas no estado do Amazonas, por meio do DSEI Alto Rio Negro. A Equipe Multidisciplinar de Saúde Indígena (EMSI) do DSEI realizou a triagem de indígenas que necessitam de consultas especializadas, evitando que os pacientes tenham que se deslocar aos centros urbanos para atendimento.

Os médicos atendem os indígenas no 1º Pelotão Especial de Fronteira do Exército Brasileiro, no distrito de Iauaretê (AM), e no Hospital de Guarnição de São Gabriel da Cachoeira (AM) e poderão consultar os especialistas de Brasília e São Paulo por videoconferência.

(*) Com informações do Ministério da Saúde