Instituições discutem recuperação e reabertura da BR 319

Cerca de 20 entidades, entre instituições públicas e privadas, associações e sociedade civil discutirão, nesta segunda-feira (25), a reabertura da BR 319. O objetivo é que o debate contribua com informações técnicas e propostas que resultem em ações práticas para a plena recuperação da rodovia.

As discussões serão realizadas a partir das 9h no Auditório Arly Barbosa, na sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM). “A recuperação da rodovia passa pelo trabalho da engenharia. Por isso, a importância do Crea sediar um evento como este e dar sua contribuição para o debate”, analisou o presidente do Crea-AM, engenheiro Afonso Lins.

A BR
Numa extensão de aproximadamente 876,80 quilômetros a BR-319 é a única ligação rodoviária e de extrema importância para a região Norte, permitindo e integrando os Estados do Amazonas, Rondônia e Roraima com o restante do País. Além das cidades de Manaus e Porto Velho, a rodovia abrange os municípios de Careiro do Várzea, Careiro Castanho, Manaquiri, Autazes, Manicoré, Tapauá, Lábrea, Humaitá e Canutama.

Atualmente, são licenciados os segmentos: km 0,00 – km 177,80, km 177,80 – km 250,00 e km 655,70 – km 877,40, com um contrato em andamento para a execução dos serviços de manutenção/conservação, um processo de manutenção e recuperação de áreas degradadas e um processo em Licitação na modalidade de Pregão Eletrônico para a contratação de empresa para execução dos serviços de manutenção/conservação.

O segmento não licenciado está compreendido entre o segmento: km 250,00 e km 655,70, e é conhecido como “Trecho do Meio”, com 405,70 km de extensão. No segmento não licenciado, encontra-se em andamento somente as intervenções de serviços de manutenção/conservação, não existe as Obras de Pavimentação, o qual está no aguardo da emissão, pelo IBAMA, do Licenciamento Ambiental.

A ligação entre Manaus e Porto Velho proporcionará conexão aos sistemas rodoviários dos países vizinhos, tais como Colômbia, Peru e Bolívia, posto que alguns deles já alcançaram a fronteira do Brasil. Esse sistema da BR-319, juntamente com o de hidrovias irá unir o interior da região amazônica às costas do Caribe, do Atlântico e do Pacífico, se completando com a rodovia, sendo tributários do “Grande Cinturão de Desenvolvimento do Norte da América do Sul.

A BR-319 é um importante elo, desse sistema intermodal e relevante, constituindo a única ligação terrestre/rodoviária entre Manaus/AM e o restante do Brasil, ressaltando, também, que a mesma faz a intermodalidade com a hidrovia do Rio Madeira e o Rio Amazonas.

Com informações do CREA-AM